Publicado em

Revisão da Bike. Um assunto sério.

As bicicletas com o passar do tempo, vão se deteriorando, algumas peças param de funcionar, deixando a experiência do pedalar mais difícil. Por incrível que pareça, uma bicicleta suja, sem cuidados, atrapalha, e muito, no desempenho durante os treinos.

A maioria dos ciclistas leva a bike para uma revisão em uma oficina. Ela vem bonitinha depois de uma lavada, mas será que foi realmente revisada?

Muita gente confunde lavagem com revisão. Um check-up de verdade consiste em checar folgas nos componentes. Para isso, é necessário desmontar os componentes e checar um a um.

Uma boa revisão na bike pode te salvar de muitos apuros.

Veja aqui os itens necessários que devem ser revisados

Folgas nos cubos

Os cubos devem ser lubrificados regularmente de acordo com a quilometragem rodada e condições dessa rodagem. Não há tempo definido. Você pode checar com seis meses de uso e ver as condições da graxa, se já estiver escura, tem que limpar e trocar. Se ainda tiver com a cor original, da próxima vez você pode alongar mais o tempo para abrir novamente. Mas uma vez aberto, é melhor revisar tudo.

Outra maneira de verificar se há folga sem abrir tudo é a seguinte: Tendo certeza de que a roda está bem presa no quadro, levante-a do chão, segure no pneu e tente balançar lateralmente. Se sentir algo mexer, tem que abrir. Para fazer esse procedimento na roda traseira, deixe a corrente na coroa menor no cassete e tire do pedivela. A pressão da transmissão pode mascarar uma folga leve.

Folga no pedivela

O movimento central também pode abrir folga. Quando isso acontece tem que trocar. O primeiro sinal de que tem algo errado com ele é sentir algum atrito interno ao girar. Para fazer isso, o ideal seria tirar o pedivela e mover o eixo com os dedos. Se não estiver liso, é sinal de que está se deteriorando.

No movimento selado é inviável fazer manutenção interna.

Já no caso dos pedivelas integrados, você consegue abrir as laterais e inspecionar o rolamento. Nesse caso, a manutenção necessária é nos moldes dos cubos. Abrir, checar e trocar a graxa.

Folga na mesa de direção

Essa é o problema mais fácil de ser detectado. Se você sente uma trepidação quando freia a roda dianteira é por que abriu uma folga ali. Você pode simplesmente soltar a mesa e apertar o parafuso da aranha um quarto de volta de cada vez até a folga sumir e o guidão ainda continuar livre. Depois reaperte a mesa.

Mas se apareceu folga, é melhor programar uma revisão que consiste em checar o rolamento e trocar a graxa. Se estiver faltando alguma esfera, troque o rolamento.

Desgaste do aro

Uma coisa que literalmente acaba com o passeio é aro estourado. Para quem usa V-Brake é fundamental checar de tempos em tempos, e principalmente antes de sair para pedalar, se o aro apresenta algum afundamento. Não espere por uma curva enorme, basta um milímetro a menos na parede para um possível problema.

Tenha sempre em vista um bom lugar, na qual você tenha plena confiança, para a execução de uma revisão completa, principalmente se sua bicicleta conter peças muito sofisticadas e caras.

Mas o melhor mesmo a fazer e levar sua bike a uma oficina especializada para fazer uma revisão e manutenção da sua bike. Venha conhecer o Centro Técnico Especializado da Indy Bike e deixe sua bike com quem entende.

Publicado em

Dicas práticas para lavar sua bike.

A sujeira pode danificar sua bike se você não lavá-la regularmente. Mas lavar do jeito errado também causa problemas! Eis aqui algumas dicas simples para evitar problemas.

Antes de tudo, junte os ingredientes: uma bacia ou um balde, algumas estopas ou panos velhos, uma esponja ou espuma, uma escova (como as usadas para lavar roupa), produto para limpar bike (sabão neutro ou detergente neutro também serve), água limpa (não necessariamente potável) e um removedor de graxa ou solvente (próprio para bike ou querosene), um pincel ou escova de dentes macia.

Comece pelo conjunto de transmissão

Antes de jogar água em tudo, limpe seu conjunto de transmissão. Ele precisa de um ingrediente mais específico, que é um removedor de graxa. Você pode comprar esse produto em bicicletarias. Se não tiver condições, duas alternativas são querosene e removedor caseiro: misture partes iguais de detergente neutro (os normais são muito agressivos) e suco de limão filtrado. Simples assim!

Espalhe e esfregue o removedor na corrente com o pincel. Esse processo pode gerar bastante sujeira, então luvas e alguns sacos plásticos na bicicleta são bem vindos. A corrente literalmente vai ficar mais clara, parecendo nova. Faça a mesma coisa com as coroas, o cassete e as polias do câmbio traseiro. Você pode usar a estopa velha para conter o líquido removedor sujo que contém graxa diluída.

Depois lave o conjunto todo com água e sabão neutro.

Faça esse processo de modo a evitar respingar muito removedor nos cubos e movimento central. Cuidado para não respingar graxa ou outro lubrificante nas pastilhas de freio.

Molhe

Agora que a parte pesada foi feita, molhe sua bicicleta. Não precisa molhar tudo de uma vez, mas molhe pelo menos a parte que vai lavar primeiro. O importante é molhar corretamente: nunca use jatos de água contra ela. Molhe a bike com uma mangueira, fazendo um spray ou leque suave.

Se a bike estiver com muita sujeira (barro acumulado), será melhor dissolvê-lo antes de prosseguir. Se não, ao esfregar um pano nela, as partículas do barro podem arranhar a pintura. Na maioria das vezes água e paciência resolvem, mas se necessário use algum solvente de sujeira próprio para isso.

Esfregue

Agora usando uma esponja ou um pano junto de limpador para bicicleta ou sabão neutro diluído em água, esfregue a bicicleta toda (menos pneus) para remover a sujeira. Em partes mais complicadas um pincel limpo pode ser útil.

Os pneus exigem a escova. Molhe-os, depois, usando a escova com limpador diluído em água, esfregue bem o pneu, tanto em cima quanto nas laterais.

Molhe de novo

Enxague bem toda a espuma que estiver na bike. Não deixe a espuma muito tempo; se dividir por partes, fica tudo mais bem feito. Mais uma vez, cuidado com jatos de água.

Seque

Chacoalhe a bike ou bata os pneus dela no chão para remover o excesso de água. Você pode secar a bike com panos e toalhas. Se não quiser fazer isso, não precisa, mas ao menos seque as suspensões, principalmente o anel que as veda.

Quer você seque a bike com toalhas, quer não, deixe a bike secar ao sol por algumas horas. O sol faz o processo completo de secagem por você.

Lubrifique

Depois de seca, lubrifique de novo tudo o que perdeu graxa: corrente, molas dos pedais de encaixe, cabos e condutores, canote de selim (apenas a base), engates rápidos (quick release) e outros. Remova os excessos. Tome cuidado para não deixar graxa ou lubrificantes atingirem as pastilhas de freio!

Cuidados

Se você usa freios a disco hidráulicos e remove a roda dianteira (ou ambas) para lavar a bicicleta, cuide muito para não acionar os freios enquanto lava a bike, ou os pistões de freio podem saltar para fora de suas posições. E isso só se concerta sangrando o freio. Existem sapatas que são colocadas entre as pastilhas para evitar isso. Mas um pedaço de plástico ou outro material que aguente pressão também pode ser usado.

Você pode aproveitar a limpeza da bike para inspecioná-la, procurando por rachaduras, amassados e trincados. Isso previne acidentes feios.

Mas não esqueça de fazer regularmente uma boa revisão na sua bike em uma oficina especializada. Venha conhecer a Indy Bike e agende uma revisão com quem entende de bike.

Publicado em

Calibragem correta dos pneus.

O uso da bicicleta como meio de transporte e mobilidade cada vez mais presente, o ciclista por vezes depara-se com questões técnicas, as quais ainda não tem conhecimento. São, em geral, dúvidas simples e pequenas intervenções na bike, onde uma simples orientação de como fazer contribui para a durabilidade da magrela. Estas manutenções de caráter preventivo encaixam-se no conceito americano, o popular faça você mesmo.

Em primeiro lugar, vamos conceituar o que é calibragem. Para simplificar, é a pressão indicada pelo fabricante a qual o pneu deve estar submetido, ou seja, não é a quantidade de ar dentro do conjunto câmara/pneu, que seria medida em volume, cm³, por exemplo.

As paredes da câmara/pneu exercem uma barreira à saída do ar do seu interior (ação). Em contrapartida, as moléculas de ar aprisionadas forçam as mesmas na proporção em que vão ficando comprimidas com a entrada de mais ar no sistema (reação). É a pressão, que é mais comumente medida em P.S.I ou BAR.

Dessa forma, quanto menor a capacidade em volume do pneu, maior a pressão a qual será submetido. Por isso um pneu fino para bikes de ciclismo precisa de maior pressão do que pneus de bicicletas de uso misto ou mountain bikes.

Outra dúvida comum é quanto ao sistema de válvula presente no sistema câmara/pneu. Existem dois principais: o sistema Presta (fino) e o sistema Americano / Schrader (grosso). Este último é o mesmo utilizado em carros e motos, sendo o mais comum em bicicletas tradicionais, e o sistema Presta é encontrado principalmente em bicicletas de uso mais esportivo.

Na prática, o ciclista, ciente destas informações básicas, só precisa olhar na lateral do pneu qual a pressão máxima recomendada pelo fabricante, identificar a unidade de medida e munido de uma bomba com manômetro (ponteiro indicador) compatível com a válvula da bike realizar a calibragem.

Uma boa dica é adquirir uma bomba com o manômetro com as duas unidades de medida e com os dois tipos de bico. São fáceis de encontrar.

Caso já tenha uma bomba e esta seja somente compatível com bico grosso, é possível adquirir um adaptador para calibrar bico fino.

A válvula do tipo Presta precisa ser preparada para o enchimento, bastando soltar a rosca para entrada do ar antes de acoplar a bomba. Já na válvula do tipo Americano o sistema é automático.

Ao atingir a pressão desejada, desacople a bomba, reestabeleça a posição da válvula no caso da Presta e reponha a tampa plástica, lembrando que esta “tampinha” não segura o ar, somente impede a entrada de água e sujeira que podem danificar a mesma.

Pronto! Seu pneu está calibrado. Dentro do máximo recomendado, o ciclista tem uma margem para atender seu gosto, evite uma calibragem muito abaixo do indicado pois torna a bicicleta mais “pesada” para se pedalar.

Caso o pneu/câmara perca ar com facilidade, é possível que o mesmo esteja furado ou com a válvula danificada. Procure uma oficina para reparo ou troca da mesma.

Verifique periodicamente a calibragem e sempre antes de um pedal mais longo, no caso de embarcar a bike para uma viagem de avião, esvazie totalmente o pneu e calibre quando chegar ao destino, pois a pressão interna está sujeita a alterações de clima, temperatura e altitude.

A calibragem correta dos pneus proporciona uma melhor performance durante a pedalada. Use corretamente a bicicleta e bom pedal!

Psi, forma abreviada do inglês pound force per square inch, ou libra-força por polegada quadrada, é a pressão resultante da força de uma libra-força aplicada a uma área de uma polegada quadrada.

BAR é a unidade de medida relacionada à pressão atmosférica, medida pelo aparelho barômetro.

Publicado em

Dicas: como escolher a bicicleta ideal?

Seja para passear no parque, fazer esporte de aventura, para estrada, para a área urbana, existem bicicletas voltadas para cada uma das usualidades. Graças à globalização e o aumento da importação desses produtos, temos uma gama imensa de modelos para todos os gostos, necessidades e bolsos também.

Dentre as variações mais conhecidas de bikes, estão os modelos: speed, mountain bikes, híbridas, dobráveis, comfort, lazer etc. Além disso, muitas se diferem pelo aro, que muda totalmente o uso para cada finalidade, como o aro 26, aro 27,5, aro 29, além do tipo de suspensão, seja na frente, suspensão total etc.

Portanto, para quem está iniciando no universo das bikes, escolher o modelo ideal é de extrema importância para fazer o uso correto, tirar o máximo de proveito da bicicleta e para não jogar dinheiro fora. Por isso, apresentamos algumas dicas que podem te ajudar no momento dessa decisão. Confira:

Para qual finalidade?

Muitas pessoas acabam comprando uma bicicleta, apenas por achá-la bonita na loja, porém, é preciso analisar qual é a sua necessidade. Antes de comprar uma bicicleta, é preciso definir qual será a finalidade de uso. Você precisa comprar uma bicicleta para se manter em forma? Para ser um meio de locomoção pela cidade? Para algum esporte radical? Respondendo a essas perguntas, ficará mais fácil o momento da busca pela bike ideal para a sua necessidade.

Conheça os tipos mais comuns de bicicletas

Após definir qual será a finalidade da bike, é importante pesquisar no mercado, quais são as opções que mais se encaixam ao uso pretendido. Você irá encontrar esses tipos de bicicletas:

  • Comfort Bike ou Híbrida: usadas para uma simples volta de lazer pela cidade ou pelo parque, sem subidas íngremes ou descidas bruscas. Essas são bikes de uma só marcha, geralmente com coaster brakes (Um cubo especial que permite que a bike avance sem mexer a pedaleira/pedais e também um travão que funciona ao pedalar para trás.)
  • Bicicleta Tandem: são bicicletas duplas, com dois selins e conjuntos de pedais para duas pessoas andarem juntas. São muito utilizadas em parques ao ar livre.
  • Moutain Bikes: essas são projetadas para o uso off-road. Os pneus são largos, o manuseio é mais estável, além de um guidão mais alto para a posição do corpo.
  • Bicicleta BMX: usadas para competições em trilhas ou pistas, estas são mais baixas, com pneus de cravo.
  • Bicicletas de estrada: essas são projetadas para um bom desempenho no asfalto, e podem ser classificadas em dois grandes grupos: de corrida e de passeio. Bicicletas de corrida são projetadas para a velocidade. Já as de passeio são projetadas para um maior conforto.

Verifique como de adapta ao seu corpo

Além de fazer a escolha correta para a finalidade de uso, é importante testar a bicicleta para analisar se a mesma é correta para a sua altura e peso. Ela não pode ser muito alta para você, permitindo que você sente e saia da bicicleta com facilidade.

O aro também é importante. Geralmente, elas vêm equipadas com um pneu com aro 12 para as crianças, e para os adultos aro 26 ou 29, podendo ser ainda maiores para bicicletas especiais de corrida.

O ideal é dar uma volta teste com a bicicleta antes de comprá-la, para ver como o seu corpo se adapta a ela.

Visite uma de nossas lojas e converse com nossos consultores que vão dar a você todo o suporte na hora da escolha e da compra de sua bike. Aproveite e faça um bike-test.

Publicado em

7 dicas para manter sua bicicleta parada por longos períodos

Seja pelo problema atual que passamos por causa do novo coronavírus ou por qualquer outro motivo, manter sua bike guardada corretamente é a garantia de uma volta aos pedais sem surpresas.

Apesar do momento atual nos atingir nesse sentido, ter que deixar a bike guardada não é uma novidade em países com inverno rigoroso e as consequências de largar a bicicleta de qualquer maneira, sem qualquer cuidado, são claras.

Confira algumas dicas do que fazer com sua bike antes de deixá-la parada por um tempo.

1 – Lave a bicicleta

Jamais guarde sua bike suja, principalmente com lama. A sujeira é uma das principais inimigas da bike e de seus componentes, pois mesmo com ela parada, acelera processos de degradação da pintura e de ferrugem do quadro e demais componentes.

Cuidado também com o uso de lavadoras de alta pressão que, quando mal direcionadas, pode fazer com que a água chegue a locais indesejados, como rolamentos de cubos, movimentos centrais e links da balança.

2 – Seque a bicicleta

Parece besteira, mas sempre que a bike é lavada em um bike shop ela é seca com ar comprimido. Até mesmo quando você lava em casa, em geral não demora muito até o próximo pedal, que vai ajudar na secagem. Porém, se a bike for ficar guardada, seque a bike após a lavagem, inclusive todos aqueles cantinhos pequenos e pouco acessíveis.

Se preciso, retire o canote e vire a bike de ponta cabeça para expurgar qualquer água que por ventura tenha ficado dentro do quadro. O processo de ferrugem do quadro e do movimento central, por exemplo, quando acontece de dentro pra fora, só é percebido quando muito avançado e muitas vezes é irreversível.

3 – Lubrifique a engraxe da forma correta

Lubrificar a corrente após a lavagem é a forma adequada de preservá-la contra a ferrugem. Não há a necessidade de aplicar lubrificante em excesso, siga as recomendações de aplicação do fabricante do seu lubrificante e será suficiente.

Outra possibilidade interessante para combater a oxidação é aplicar algum lubrificante aerossol ou desengripante no sistema de mola dos pedais. Para ciclistas mais experientes, engraxar a parte externa dos rolamentos da caixa de direção é uma boa ideia também para afastar a oxidação desses componentes.

4 – Mantenha pneus cheios e tenha cuidados com o tubeless

Manter os pneus cheios evita rachaduras e deformações da borracha. Não é necessário usar a mesma calibragem que você usa para pedalar, principalmente para bicicletas de estrada. Metade da calibragem que você usa normalmente já é o suficiente. A calibragem mais baixa evita estouros e vazamentos.

Se você usa selante no seu pneu (ou na sua câmera de ar), é importante girar as rodas por alguns minutos algumas vezes durante a semana. Isso evita que este se deposite em um único local, formando um caroço de látex e eventualmente deformando o pneu definitivamente. Quanto maior for a frequência desse procedimento, menores são as chances de você ter algum problema.

5 – Deixe a bicicleta na posição horizontal

Mantenha a bike com as rodas para baixo, na posição natural da bicicleta. Evite-a deixar por longo tempo na vertical e jamais de ponta cabeça, assim você previne que bolhas de ar do sistema hidráulico de freios se desloquem para a pinça (caliper), onde vão prejudicar significantemente o funcionamento dos seus freios.

Além disso, na posição horizontal os óleos das suspensões e canotes hidráulicos ficam também acomodados no local correto dentro do sistema e previne vazamentos e contaminação.

6 – Cuidados extras com as baterias

Para bikes elétricas ou com sistema eletrônico de transmissão, atentem-se às recomendações dos fabricantes quanto a preservação da bateria durante longas pausas de uso. Manter a bateria carregada entre 30-70% é o mais indicado na maioria dos casos.

Deixar a bateria completamente carregada (100%) ou descarregada (0%) pode potencializar o processo natural de degradação da bateria. Não guarde bicicletas com sistemas elétricos em local úmido e quente. Se não houver opção, retire a bateria e guarde-a em local fresco e seco, longe de materiais inflamáveis como tecidos, botijão de gás e madeira.

7 – Mantenha os câmbios com a mola recolhida

A melhor posição para as marchas enquanto sua bike estiver parada são com os câmbios recolhidos, isto é, câmbio traseiro no menor pinhão e câmbio dianteiro na menor coroa. Dessa forma você preserva as molas do câmbio que ficam sob menor pressão, aumentando a vida útil do equipamento, e também preserva os cabos que ficam sob menor tensão, esticando menos, assim mantendo a regulagem da marcha por maior tempo.

Aproveite o ritmo de limpeza e higienize sua garrafa, mochila, sapatilhas, capacete, vestuário e demais itens que você usa no pedal. Seguindo a mesma regra da bike, não guarde nada sujo. Também retire o ciclocomputador e gps da bicicleta e guarde-os em local seco e longe do calor.

Aproveite o momento para seguir nossas dicas e cuidar da sua bicicleta. Lembrando que a Indy Bike está funcionando para atendimentos de manutenção e reparos. Consulte o horário de funcionamento e agende uma revisão.

Publicado em

6 dicas para cuidar e conservar sua bike.

A bike, além de ser um meio de transporte saudável e amiga do meio ambiente, também é excelente para praticar esportes e curtir momentos de lazer em família. Contudo, para pedalar em segurança, conservar sua bicicleta e tomar alguns cuidados com a manutenção correta dos seus equipamentos, sua limpeza e seu armazenamento são fundamentais.

Por isso, a seguir vamos dar algumas dicas para poder conservar sua bicicleta e assegurar sua maior durabilidade, conforto, evitar acidentes e dores de cabeça com gastos inesperados. Confira:

1. FAÇA UMA LIMPEZA PERIÓDICA

Manter sua bike sempre limpa é a melhor maneira de conservá-la por mais tempo. Faça isso periodicamente — uma vez por semana é ideal — com um pano seco para retirar a sujeira e os resíduos de todos seus componentes.

Em caso de passeios em trilhas, locais com lama, água salgada (maresia) ou na chuva, o que geralmente suja bastante, lave os componentes de sua bike com água e sabão, limpe com uma esponja embebida em produtos não abrasivos e seque com um pano. Uma cobertura de cera garante a limpeza por mais tempo.

2. LUBRIFICAÇÃO

Depois de secar a bike, lubrifique com óleo os componentes móveis de sua bicicleta, como a catraca de marchas, a corrente, os pedais e os rolamentos na parte externa para evitar a oxidação. Jamais utilize querosene, óleo de cozinha ou algum tipo de solvente para fazer isso (e tome cuidado para não exagerar na quantidade de lubrificante).

3. RETOQUE A PINTURA

A pintura é uma das principais armas contra a oxidação da bicicleta. Sempre que observar danos, arranhões ou locais descascados, pinte imediatamente para prevenir contra a ferrugem. Quando não encontrar uma tinta de cor semelhante, utilize esmalte comum, verniz para unhas ou uma base transparente para evitar maiores estragos.

4. FAÇA AJUSTES REGULARMENTE

Guidão, câmbios, selim, sapatas de freio e parafusos desregulados podem provocar acidentes sérios, causar desconforto durante o pedal e apressar o desgaste de diversos componentes de sua bike, reduzindo a vida útil de seu equipamento.

5. LEVE SUA BIKE PARA UM CHECK-UP

Fique atento a barulhos estranhos e trepidações diferentes para identificar qualquer tipo de anormalidade em sua bike e, se necessário, encoste sua magrela na oficina mais próxima.

Bicicletas novas geralmente possuem garantia para realizar check-ups gratuitos por um tempo. Nos demais casos, faça a revisão periódica completa em uma oficina de confiança para garantir o funcionamento adequado e aumentar a durabilidade de seu equipamento.

6. GUARDE SUA BIKE EM AMBIENTES FECHADOS

Tão importante quanto mantê-la limpa é guardar sua bike em locais adequados. Opte sempre por lugares fechados e secos, livres de umidade, sol, chuva e vento, agentes oxidantes e/ou corrosivos metálicos.

Outra dica bacana é guardar sua bike suspensa na parede ou no teto, presa por ganchos, suportes apropriados para bicicletas ou por um sistema de polias.

Mantenha sua bike sempre pronta e revisada e garanta a sua segurança na hora de pedalar. Agende a sua revisão na Indy Bike. Visite uma de nossas lojas e fale com nossos consultores.

Publicado em

Que tal colocar a manutenção da sua bike elétrica em dia?

Ter uma bicicleta elétrica implica, em algum momento, a ter uma preocupação com a manutenção.

Apesar de ter poucas diferenças de uma bicicleta comum, uma bike elétrica também precisa de um pouquinho de atenção.

Antes de falarmos essencialmente sobre a manutenção bike elétrica, vamos falar sobre a manutenção preventiva.

Você já deve ter ouvido dizer que existem 2 formas de cuidar daquilo que é seu: a manutenção preventiva e a manutenção corretiva.

A primeira delas é, preventivamente, pensar em cuidar de um bem para aumentar seu estado de conservação e evitar problemas técnicos.

Essa é a manutenção preventiva: ela aumenta a vida útil de um bem, para que ele dure mais, e você não precise consertá-lo.

O segundo tipo é a manutenção corretiva. O famoso quebrou, arrumou.

A diferença simples entre essas modalidades é que a primeira existe para que você não tenha dores de cabeça com a segunda.

Tendo isso em mente, temos algumas dicas para você fazer a manutenção da sua bike e ficar livre de problemas.

 

1 – Bateria

A bateria da bicicleta elétrica é algo muito similar à bateria do seu celular ou laptop – só que muito maior.

A bateria é feita de células. Cada uma dessas células possui cerca de 1 mil ciclos de carga. Isso significa 1 mil cargas completas e descarregadas antes que ela comece a morrer – como é o fim de toda bateria.

A bateria também tem um sistema de gerenciamento, que controla o carregamento e descarregamento das células.

Conforme cada célula é usada, a bateria começa a usar a carga da próxima célula.

Se você sai para dar um passeio e gasta apenas as 10 primeiras células da sua bateria e a recarrega completamente, saindo depois para um novo passeio que usa, novamente, apenas as 10 primeiras células, você não usou a sua bateria por completo.

Isso significa que as células restantes ainda estão novas e você não usou nenhum de seus 1 mil ciclos de carga.

A recomendação para tirar o máximo proveito possível da sua bateria é sempre carregar a bateria após cada viagem, mantendo as células, o máximo possível novas e sem uso.

 

2 – Movimento central

Uma bicicleta elétrica também é uma bicicleta e deve ser mantida como uma bicicleta normal, nesse sentido.

O movimento central (que comanda o câmbio, a pedileva, corrente e etc.) precisa ser mantido lubrificado e limpo, para que sempre funcione corretamente.

 

3 – Pneus

Se os pneus não estiverem totalmente cheios, a bicicleta não irá funcionar tão bem (ou rapidamente) e você precisará gastar mais energia (humana ou elétrica) para se movimentar.

 Certifique-se sempre de que os pneus estejam calibrados com a pressão correta, e que estejam em boas condições.

O pneu desgastado pode reduzir a tração e causar danos. Além disso, você deve trocar seus pneus a, aproximadamente, cada 3,5 mil quilômetros percorridos.

 

4 – Freios

Seus freios podem ser a parte mais importante da sua bike elétrica. Eles são necessários para sua segurança e você confia neles para desacelerar e parar.

Existem diferentes tipos de freios em diferentes bicicletas que exigem uma manutenção um pouco diferente.

Freio a disco mecânico

Esses são os freios de bicicletas comuns, encontrados na maioria das bicicletas. O acionamento é feito por cabo. Quando o manete é acionado, puxa o cabo que está preso a pinça de freio, empurrando um pistão que se encontra no seu interior, que vai empurrar a pastilha de freio contra o disco, gerando atrito e diminuindo a velocidade.

Freio a disco hidráulico

Já no sistema de freio à disco hidráulico, o acionamento é feio por óleo. Quando o manete é acionado, o óleo é empurrado pela mangueira fazendo com que os pistões presentes na pinça de freio empurrem as pastilhas contra o disco.

Freio V Brake

O sistema de funcionamento dos V-Brakes é bem eficiente: o cabo de aço que sai do­ manete, aciona diretamente pelo lado, os dois braços da pastilha. Por esse motivo, são chamados também, menos popularmente de freios “direct pull” ou “side pull”.

Os itens que se desgastam nesse sistema são o cabo de freio e as pastilhas ou as sapatas, no caso dos freios V break.

É importante ajustar os freios e apertar os cabos e substituindo as sapatas sempre que necessário.

 

5- Motor

Não abuse do motor, colocando mais peso nele do que ele pode suportar.

Além disso, certifique-se de que suas rodas estejam sempre alinhadas. Se você tiver algum problema com o alinhamento pode “mastigar” a engrenagem.

Motores de acionamento intermediário

Esses são os motores mais avançados. Eles giram o seu anel de corrente, que ativa a própria corrente da bicicleta e o sistema de acionamento, para girar as rodas como quando você está pedalando.

A manutenção necessária aqui é a manutenção preventiva da transmissão, uma vez que o seu motor de transmissão está sendo utilizado por um motor que tem muito mais poder do que as pernas humanas.

Se usado incorretamente, ou não mantido, o motor pode arrancar os dentes da corrente.

Certifique-se de manter o movimento central sempre limpo e as engrenagens sintonizadas finamente.

Além disso, comece a pedalar devagar e vá aumentando o ritmo aos poucos. Um motor de acionamento intermediário gosta de girar rapidamente.

Se você não começar devagar, você vai desgastar sua bateria mais rápido do que o necessário.

 

Pronto para garantir uma ótima manutenção da sua bike elétrica?

Não importa o tipo que você tenha, ou qual esteja pensando em comprar, nossas dicas irão ajudar você a aumentar a sua vida útil por muito tempo – e ficar longe de problemas.

Visite uma das oficinas especializadas da Indy Bike e agende já a manutenção da sua bike elétrica.

Publicado em

Você sabe a importância de fazer manutenção e revisão na sua bike?

Nenhum amante da bicicleta gosta disso, mas às vezes é inevitável: talvez você se machuque, fique doente ou tenha algum outro imprevisto, como estamos vivendo nos dias atuais, a crise do Coronavírus, e por isso precise ficar um tempinho sem poder pedalar.

Mas isso não quer dizer que sua bicicleta precise ficar largada em algum canto sem nenhum tipo de assistência. Até porque isso não pode acontecer: uma bicicleta muito tempo parada pode ter problemas de funcionalidade.

Fazer revisões periódicas na bicicleta é essencial principalmente para diminuir os riscos de acidentes, falhas ou quebras durante o uso da bike. Isso porque, as revisões são responsáveis por controlar o desgaste do conjunto de rolamentos, freios, corrente e engrenagens.

Por estes motivos, a revisão e a manutenção das bicicletas são muito importantes. Inclusive, manter a bike em ordem aumenta o tempo de vida dos equipamentos, diminui a quebra de peças e economiza gastos indesejados e imprevistos. Além disso, a frustração em ter que interromper o percurso é muito desagradável. Por isso separamos os principais pontos de cuidado para a manutenção e revisão da sua bike. Confira abaixo algumas dicas.

Dicas para fazer em casa:

Existem muitos cuidados específicos com a sua bike que podem evitar dores de cabeça no futuro.

Limpeza: lavar a bicicleta com água e sabão neutro e secar com um pano macio. Uma esponja suave também pode ser usada para ajudar na limpeza dos resíduos.

Calibragem: manter os pneus sempre cheios com a calibragem correta de acordo com a sua bike.

Revisão para fazer com mecânicos especializados:

Em algumas situações é melhor contar com a ajuda de profissionais qualificados, que possuam os equipamentos, infraestrutura e conhecimento adequado para deixar sua bike sempre segura.

Ajustes: verificação e regulagem da suspensão, freios e câmbios, pois com o tempo a bike sofre um desgaste natural e pode ficar desregulada.

Lubrificação: lubrificação das correntes e engrenagens.

Revisão completa (pelo menos uma vez ao ano): consiste na desmontagem e remontagem total da bike, englobando cuidados com a corrente, cassete, canote, pé de vela, caixa de direção, freios, cambio, movimento central, cabos, conduítes, cubos da roda e muito mais.

Uma dica bacana para manter os cuidados sempre em dia é ter um planilha de manutenção que contenha todos os cuidados realizados ou a serem feitos na bike. Como por exemplo:

– Data da última revisão;

– Data da troca de equipamentos e acessórios;

– Pressão dos pneus;

– Pressão dos amortecedores;

– Altura dos manetes de freio;

– Dados do bike fit completos;

– Quilometragem.

Com todas essas informações fica mais fácil cuidar da sua bike e pedalar tranquilo, não é mesmo? E não deixe de fazer as manutenções regularmente para evitar problemas futuros.

Mesmo durante a quarentena por conta do Coronavírus a Indy Bike Indianópolis está atendendo seus clientes somente nos serviços de oficina.

 Venha conhecer nosso Centro Técnico e deixe sua bike com quem entende de bike. Boas pedaladas!

Publicado em

Manutenção e revisão periódica da sua bike. Entenda a importância.

O hábito de pedalar possui muitos benefícios, seja para a saúde, emagrecimento, prevenção de doenças, desenvolvimento das habilidades nas crianças e muito mais. Entretanto, pedalar também exige equipamentos especiais para que o passeio, treino ou participação em campeonatos sejam seguros e garantam o bem-estar do ciclista.

Por estes motivos, a revisão e a manutenção das bicicletas são muito importantes. Inclusive, manter a bike em ordem aumenta o tempo de vida dos equipamentos, diminui a quebra de peças e economiza gastos indesejados e imprevistos. Além disso, a frustração em ter que interromper o percurso é muito desagradável. Por isso, separamos os principais itens para a manutenção e revisão da sua bike. Confira.

Dicas para fazer em casa:

Existem muitos cuidados específicos com a sua bike que podem evitar dores de cabeça no futuro.

Limpeza: lavar a bicicleta com água e sabão neutro e secar com um pano macio. Uma esponja suave também pode ser usada para ajudar na limpeza dos resíduos.

Calibragem: manter os pneus sempre cheios com a calibragem correta de acordo com a sua bike.

Revisão para fazer em uma oficina especializada

E algumas situações é melhor contar com a ajuda de profissionais qualificados, que possuam os equipamentos, infraestrutura e conhecimento adequado para deixar sua bike sempre segura.

Ajustes: verificação e regulagem da suspensão, freios e câmbios, pois com o tempo a bike sofre um desgaste natural e pode ficar desregulada. São regulados:

Lubrificação: lubrificação das correntes e engrenagens.

Revisão completa (pelo menos uma vez ao ano): consiste na desmontagem e remontagem total da bike, englobando cuidados com a corrente, cassete, canote, pé de vela, caixa de direção, freios, cambio, movimento central, cabos, conduítes, bobos da roda e muito mais.

Se você gostou destas dicas e gostaria de agendar sua revisão, entre em contato agora mesmo!

Conheça mais sobre a Indy Bike em nosso site.

Publicado em

As 5 ferramentas essenciais que todo ciclista deve levar no pedal.

Sair de casa para pedalar sem um desses itens é o pecado capital que um ciclista pode cometer

Já imaginou um escalador sair de casa sem o seu mosquetão? Ou o músico que não leva uma corda extra para o seu ensaio? Não ter as ferramentas e peças reservas obrigatórias podem te fazer perder o treino ou até ficar na mão sem ninguém para te ajudar.

Ok, você já é autossuficiente no pedal e tem que dar conta de se virar em qualquer situação. Mesmo em um pedal em grupo, sinta o prazer de ter consigo todas as ferramentas necessárias para os reparos mais básicos e que já aconteceram com todo ciclista que se preze. Vamos lá:

1 – Câmara de ar

Primeiro de tudo, certifique-se de comprar a câmara de correta para a sua bike. Você terá que escolher entre road ou mtb, bico fino ou bico grosso (basta olhar quais estão atualmente na sua bike) e escolher aro 26, 27,5 ou 29.

Os atletas mais precavidos levam consigo duas câmaras de ar. Acontece que, independente disso, você vai precisar também do próximo item.

2 – Kit remendo

Parece meio a moda antiga, mas você tem que considerar a possibilidade de furar o pneu 2, 3 ou até 10 vezes no mesmo dia. Acredite, acontece. As vezes você simplesmente não consegue identificar o espinho que ainda permanece no pneu, ou então é possível que a sua câmara seja danificada pela fita de aro ou um componente.

3 – Espátulas

Você não vai conseguir fazer a troca da câmara de ar furada pela nova se não tiver em mãos um bom par de espátulas. Improvisar com as ferramentas metálicas pode acabar arranhando o aro da sua roda e até rasgar a sua câmara de ar – tornando-a inutilizável.

4 – Bomba de ar / CO2

Você vai precisar inflar os seus pneus, e o ideal para as ferramentas essenciais é não contar com os seus amigos. Eles também podem estar contando com você.

Para você ir mais longe e ser autossuficiente caso se afaste do seu grupo é vital que você tenha a sua própria bomba de ar. Não caia na bobagem de comprar um modelo muito barato feito em plástico, a durabilidade destes modelos é péssima e muitas vezes não conseguem calibrar o pneu com a pressão que você precisa.

Você pode optar por inflar o seu pneu com um refil de CO2 descartável. Eles são super práticos e podem inflar o pneu em poucos segundos sem que você gaste qualquer energia. São ideais para competições, mas não eliminam a necessidade de você carregar também a sua bomba de ar. Caso você tenha mais de um ou dois furos, precisa ter um plano B.

5 – Canivete multifuncional

Com um canivete multifuncional você pode apertar e desapertar qualquer parafuso no meio do rolê.

Tenha a sua oficina de emergência a bordo do seu pedal e não fique na mão! Aproveite bem o pedal!