Publicado em

Apostar na manutenção preventiva é a melhor maneira de economizar dinheiro a longo prazo com a sua bike.

Seja sua bike básica ou supermoderna, a verdade é que quando o ciclista aposta na manutenção preventiva, que consiste em resolver os problemas antes que eles apareçam, a economia a longo prazo costuma ser evidente.

Por isso, seja em casa ou levando a bike na oficina, confira algumas dicas que preparamos para você que quer evitar gastos desnecessários com a bicicleta, e ao mesmo tempo mantê-la no auge do desempenho.

 MANTENHA A BIKE LIMPA

Manter a bicicleta limpa é importante por diversos motivos, e um dos maiores é que diversos componentes importantes dela ficam expostos aos elementos, como a corrente, coroas, cassete e câmbios.

Com isso, sujeiras como areia e outros produtos contaminantes juntam-se com os lubrificantes, formando uma pasta esfoliante que aumenta bastante o desgaste destes componentes.

Para limpar, aposte em produtos específicos para bike. Sim, dá para limpar a bicicleta com produtos genéricos, mas sempre existe o risco de algum componente da formulação atacar alguma parte da bicicleta – algum detergente comum, por exemplo, tem muito sal, o que tende a manchar peças de alumínio.

Outra ótima pedida é sempre usar lubrificantes à base de Cera, que acumulam muito menos sujeira e são bem mais fáceis de limpar do que os óleos. Se você tiver tempo, o ideal é limpar e lubrificar a relação da bike antes de pedalar.

MEÇA A CORRENTE

Fique sempre de olho no desgaste da corrente da bicicleta. Já que a corrente gasta vai desgastar todos os outros componentes da transmissão, aumentando bastante o custo da manutenção.

Mas, é importante investir em um bom medidor de corrente de bicicletas – cuidado, existem muitos medidores de corrente completamente fora de padrão no mercado.

LIMPE A SUSPENSÃO

A suspensão da bicicleta é um componente delicado e que exige atenção especial na manutenção preventiva. Por isso, respeite os intervalos recomendados pelo fabricante e, se você não possuir ferramental e conhecimento para abri-la, aposte no trabalho de um mecânico de confiança.

A princípio, a manutenção preventiva da suspensão pode parecer cara. Mas, se você deixar passar demais, fatalmente algum componente vai acabar sendo danificado, seja pela sujeira, seja pela falta de lubrificação – aí, o prejuízo fica muito maior.

MANTENHA A BIKE BEM AJUSTADA

Cabos e conduítes velhos ou sujos, desgaste de componentes e até mesmo uma gancheira empenada podem prejudicar o funcionamento dos câmbios da bicicleta.

Com isso, além das marchas ficarem pulando, a corrente ainda pode cair para fora do cassete, ficando presa nos raios da roda traseira, o que pode causar danos graves no câmbio, na corrente e no quadro da bike.

Além disso, é importante conferir o alinhamento da gancheira e a regulagem dos câmbios, principalmente depois de levar um tombo, ou quando um galho ou outro objeto ficou enroscado na corrente – se você não tem conhecimento técnico para fazer isso, leve sua bike em um mecânico de confiança.

CONFIRA A CALIBRAGEM DOS PNEUS

Mantenha os pneus da sua bike sempre bem calibrados, utilizando algum valor entre a pressão máxima e a mínima indicada pelo fabricante.

Lembre-se que:

-Pressões muito baixas aumentam drasticamente a quantidade de furos, especialmente as mordidas de cobra.

-Pressões elevadas demais aumentam o risco do pneu rasgar e deixam a rodagem da bike dura e pouco eficiente em terrenos esburacados.

-Um pneu vazio demais deixa a bike imprecisa e ruim de controlar. Além disso, o pneu pode escapar do aro.

-Pneus mais vazios tracionam melhor, especialmente nas subidas inclinadas e nas frenagens.

 DE OLHO NAS PASTILHAS DE FREIO

Fique sempre de olho nelas, especialmente antes e depois de pedais na chuva e na lama, já que ambos aceleram bastante o desgaste das pastilhas, especialmente se ela for orgânica.

Apesar de ser possível ver a pastilha apenas olhando a pinça de freio por cima, muitas vezes o desgaste dela não é regular. Por isso, de tempos em tempos é bom tirar a pastilha da pinça para dar uma olhadinha em seu desgaste.

O processo é bem simples: basta tirar o grampo que prende a pastilha na pinça, puxar as pastilhas para cima, fazer a inspeção e colocá-las em seu lugar.

Obs: Nunca aperte o manete de freio com a bike sem a roda ou sem as pastilhas, já que isso pode danificar as pinças.

DÊ AQUELA CONFERIDA NAS RODAS E PNEUS

Fique sempre de olho no estado dos pneus da sua bicicleta, não no desgaste, mas também na presença de cortes, rasgos ou ressecamentos que podem colocar sua segurança em risco – confira este artigo e descubra se já está na hora de trocar os pneus da sua bicicleta.

Confira o aperto de todos os raios, e se os aros não tem danos ou amassados que possam resultar em vazamentos de ar.

Além disso, vale a pena girar as rodas montadas na bike para conferir se elas estão bem alinhadas. Para isso, verifique se o pneu está se afastando e se aproximando do quadro ou da suspensão ao girar a roda.

Se os raios estiverem soltos ou a roda empenada, evite andar com a bike e leve-a para resolver o problema antes que ele piore.

De tempos em tempos, tire as rodas da bicicleta e confira se os eixos estão girando livremente. Uma ótima dica é segurar a ponta do eixo com a mão e girá-la lentamente, tentando sentir se existe alguma coisa roçando ou engripando – isso pode indicar contaminação, ou mesmo algum rolamento danificado.

E você, está precisando fazer uma manutenção preventiva na bike? Se tiver, venha ate a Indy Bike e converse com nossos consultores. Boas pedaladas!

Publicado em

Bombas – Como escolher uma para ter na oficina, em casa ou para levar nos pedais?

Na dúvida de qual bomba de encher pneu é melhor para você? Confira as opções abaixo e entenda qual é a melhor bomba para o seu uso.

A bomba de encher pneu é a ferramenta mais fundamental e indispensável para qualquer um que tenha uma bicicleta. Afinal, nem sempre você tem um posto de gasolina ao seu lado para encher um pneu, e com certeza não dá para contar com isso caso você tenha um pneu furado na rua.

Existem vários tipos de bombas.

As de mão, por exemplo, são pequenas e portáteis. Já as de pé, por outro lado, são maiores e mais eficientes – agora, confira como escolher a bomba ideal para os seus pedais, ou mesmo para ter em casa para aquele momento de manutenção na sua magrela.

BOMBA DE MÃ0 – ESCOLHA PELA PRATICIDADE

A bomba de mão é a escolha ideal para levar nos seus pedais, e isso não é muito difícil de concluir. Mas, é importante dizer que existem muitos tipos de bomba de mão e que, se a ideia é ter uma bomba só para fazer tudo, é importante prestar atenção em alguns detalhes.

Alguns modelos possuem a válvula inteligente, que se adapta em válvulas presta ou Schrader automaticamente – alguns modelos mais simples precisam ser desmontados para isso, o que sempre é chato quando o pneu fura na rua.

Outro detalhe importante é que, por ser telescópica, ela movimenta um grande volume de ar por bombada, o que agiliza o trabalho de encher o pneu da MTB, por exemplo.

Por outro lado, o pequeno diâmetro e a empunhadura em T permitem atingir pressões elevadas, que chagam até em 120 PSI. Com isso, diferente de outras bombas de alto volume, ela pode ser utilizada também para encher pneus de estrada – de quebra, ela vem acompanhada de um suporte de fixação.

BOMBA PARA OFICINAS E USO INTENSIVO – ESCOLHA PELA RESISTÊNCIA

A bomba de pé é ideal para encher pneus rapidamente, sejam eles de estrada ou de MTB. Porém, se o objetivo é usar a bomba de forma mais intensiva, especialmente em oficinas profissionais, vale a pena investir em modelos mais robustos.

Elas são feitas de ferro, tendo diâmetro de 2.5 polegadas e pressão máxima de trabalho na casa dos 160 PSI – a pressão pode ser acompanhada através de um manômetro na base da bomba.

Com isso, ela se torna especialmente útil para encher pneus de bike de estrada, e também para encher reservatórios de montagem para pneus tubeless, que exigem sempre uma pressão muito alta, o que acaba gerando um enorme estresse na bomba.

Esse modelo ainda tem haste ergonômica que aumenta o conforto e uma válvula com trava reversível, que pode ser usada em bicos presta ou Schrader.

BOMBA PARA TER EM CASA – ESCOLHA PELO CUSTO BENEFÍCIO

Para quem anda de bike mais a sério, ter uma bomba de chão é casa é sempre algo muito útil, mesmo que seja para dar aquela calibrada nos pneus antes de sair para um pedal. Neste caso, o ideal é optar com um modelo como a Bomba de Chão de Plástico.

Apesar da construção em plástico, ela é extremamente resistente, inclusive suportando a pressão máxima de 160PSI, assim como sua “prima” feita em ferro.

Com diâmetro de 2.5 polegadas, ela também vem com manômetro e haste ergonômica, utilizando um bico com trava e válvula reversível, compatível com presta e Schrader.

Depois dessas dicas, você está pronto para encontrar a bomba de ar perfeita para sua bike.

Fonte: Canal da Bike

Publicado em

Saiba quais são os cuidados com a corrente da bike.

Para quem adora o ciclismo, não há nada mais frustrante do que voltar para casa empurrando a bike porque alguma peça foi danificada por falta de manutenção. Um dos itens que merecem atenção na manutenção são as correntes para bicicletas. Responsável por transmitir a energia das pedaladas para as rodas, a corrente é uma das partes mais importantes da bicicleta.

Não é incomum encontrar ciclistas voltando para casa com a corrente arrebentada ou até mesmo acontecerem acidentes em função da falta de cuidado com esta peça. Portanto, para manter o bom estado das correntes, separamos aqui algumas dicas para a manutenção:

LIMPEZA E LUBRIFICAÇÃO

Uma das formas mais simples de se conservar as correntes é mantê-las limpas e lubrificadas. Embora alguns modelos de bicicletas sejam próprios para os diversos terrenos, as partículas de areia, poeira e terra acumuladas nas correntes podem desgastá-las e reduzir a sua vida útil.

Para limpar as correntes, é necessário esfregá-las com uma escova com produtos próprios para a limpeza.

Após a limpeza enxágue-as e seque-a bem para lubrificá-las. É importante utilizar um lubrificante apropriado para as correntes, pois eles possuem propriedades que evitam o acúmulo de sujeiras e permitem que a bicicleta passe pelos diversos tipos de terrenos.

QUANDO TROCAR?

Existem diversas maneiras de identificar se já é preciso trocar as correntes da sua bicicleta. Uma corrente em bom estado fica bem esticada e se encaixa perfeitamente em todos os dentes da coroa. Quando não está nessas condições, o contato dela com a coroa e o cassete fica comprometido devido à folga da corrente. Assim, o câmbio passa a pular as marchas, danificando também as outras peças.

Por isso é importante ficar atento ao seu estado. É comum ouvir por aí que as correntes devem ser trocadas a cada 1.000 km rodados, mas essa não é uma conta simples, pois o desgaste muda muito dependendo do estilo da pedalada de cada ciclista, da frequência da limpeza e manutenção e do tipo de terreno onde se pedala. A melhor forma de saber a hora certa de trocar a corrente é por meio da avaliação de um especialista.

TIPOS DE CORRENTES PARA BICICLETAS

Antes de trocá-las, é preciso ficar atento ao seu tipo de corrente. De modo geral, a corrente para bicicletas possui duas larguras: 1/8” e 3/32”. As correntes do tipo 1/8” são mais grossas, utilizadas em bicicletas do tipo mountain bike. Já o modelo 3/32” é mais fino que o outro, utilizado em bicicletas com mais marchas.

É importante ficar atento ao fabricante da corrente, uma vez que ela terá melhor compatibilidade com as peças da mesma marca. Embora algumas correntes sejam de mesma marca, elas possuem modelos com designs diferentes, o que pode interferir na compatibilidade com a coroa e o cassete da sua bicicleta. Procure seguir as orientações do fabricante ou de um especialista para comprar o modelo correto.

COROA E CASSETE

Os cuidados a serem tomados não devem ser só com as correntes, mas também com a coroa e o cassete. Com o tempo, os dentes da coroa e do cassete vão se desgastando e é necessário substituí-los também. Este desgaste atrapalha na troca de marcha e pode danificar não só a corrente nova, mas também o câmbio traseiro e comprometer toda a sua bicicleta.

Manter o bom estado das correntes para bicicletas é fundamental para não ter gastos extras. São medidas simples a serem tomadas, mas fundamentais para conservar não só esta peça, mas toda a bike e manter a sua segurança. Traga sua bike para uma revisão aqui na Indy Bike e conte com nossos especialistas para deixar ele em ordem pedalar com segurança.

Publicado em

POR QUE REGULAR OS FREIOS A DISCO

Todo ciclista sabe a importância dos freios. Mas, para garantir que eles estejam funcionando perfeitamente quando você precisar, é fundamental realizar uma manutenção periódica. E nesse ponto, não é incomum encontrarmos pessoas com dúvidas sobre como regular freio a disco.

Conforme se passa o tempo e os quilômetros, os freios a disco podem começar a perder um pouco da sua eficiência. Ou seja, você pode notar que precisará de mais tempo de frenagem e que terá menor controle sobre a bike.

Isso acontece porque os freios a disco usam pinças presas ao quadro ou ao garfo e rotores, montados nas rodas. Quando o freio é acionado, a pinça aperta as pastilhas contra o rotor e a fricção reduz a velocidade do giro das rodas.

Se algum desses equipamentos não está bem regulado, o seu freio poderá não funcionar como deveria – e isso pode significar acidentes e falta de segurança.

COMO REGULAR FREIOS A DISCO HIDRÁULICOS?

Os freios a disco podem ser hidráulicos ou mecânicos.

Os hidráulicos são os freios com funcionamento a óleo. Assim, seu acionamento se dá por um pequeno reservatório que fica acoplado ao manete e injeta o óleo específico de freio para bikes na pinça. Como resultado, temos uma frenagem mais segura e precisa.

PINÇA

Para evitar que seu freio fique pegando, pode ser necessário ajustar a posição da pinça em relação ao disco. Os passos são:

  • Girar a roda e ouvir se o disco está pegando;
  • Caso esteja, soltar os dois parafusos allen que fixam a pinça no lugar, apertar o freio e (mantendo-o pressionado), reapertar os parafusos de modo a centralizar a pinça;
  • Caso o processo não funcione, repita-o mais algumas vezes;
  • Se o disco continuar pegando, faça o ajuste manual da pinça, com os parafusos semi-apertados até você encontrar a posição correta;
  • Se não resolver, verificar se o disco não está empenado. Caso o disco esteja reto, o melhor é levar a bike a um mecânico de confiança.

ALCANCE

Alguns modelos de freio a disco hidráulico têm regulagem de alcance, deixando o manete mais longe ou mais próximo do guidão. Essa é apenas uma regulagem de posição, ao deixar o manete mais próximo do guidão, isso não significará um freio mais apertado.

O ideal é fazer o ajuste para que você consiga apertar o freio com precisão e conforto.

PONTO DE CONTATO

Essa regulagem consegue modificar o ponto de contato das pastilhas no disco. Assim, é possível variar o quanto você terá de apertar o manete antes das pastilhas tocarem o disco. A regulagem é pessoal, já que há ciclistas que preferem o engate mais rápido e outros gostam de ter um pouco mais de movimento nas mãos.

COMO REGULAR FREIOS A DISCO MECÂNICOS?

Os freios a disco mecânicos são tão bons e eficientes quanto os hidráulicos, desde que eles estejam bem instalados e com as pastilhas bem ajustadas ao disco.

Esse freio é aquele acionado por cabo de aço, com movimento de apenas uma das pastilhas. Então, durante o ajuste, o disco precisa ficar bem próximo da pastilha fixa, pois a pastilha móvel tem um bom curso de avanço, levando o disco até a pastilha fixa.

PARAFUSOS DE FIXAÇÃO DA PINÇA

A maioria dos casos conta com um parafuso allen comum com uma arruela lisa presa no parafuso. Em alguns, contudo, os freios são equipados com arruelas orbitais no parafuso, o que facilita encontrar a posição da pinça.

Essas arruelas são as mesmas usadas nas sapatas de freio V-brake – e elas permitem múltiplas posições. Com elas, você poderá apertar o parafuso até o final, sem modificar o posicionamento da pinça.

O parafuso com arruela lisa acaba modificando a posição que você tinha optado, pois, ao final do aperto, o parafuso forçará a pinça a encostar na arruela plana, sem possibilidades de realizar pequenos ajustes de ângulo.

No caso das arruelas orbitais, basta instalar a pinça sem apertar até o final. Depois, acionar o manete de freio e segurar. Em seguida, mantendo segurado, aperte os parafusos. A pinça se ajustará no disco, deixando tudo centralizado.

PASTILHAS

A pastilha móvel (externa) pode ser ajustada pelos esticadores de cabo nas manetes ou na pinça (alguns modelos de freio a disco tem essa opção). Assim, você poderá deixar o freio mais alto ou mais baixo, alterando a sensibilidade nas manetes.

Para fazer o ajuste de avanço ou de recuo da pastilha fixa (interna), você deverá usar uma chave allen 5 mm e realizá-lo por trás da pinça. Não é preciso retirar a roda, é só posicionar a chave por trás dos raios da roda.

Existem modelos de freios que emitem um “click” quando você gira a tampa ou o parafuso de ajuste da pastilha interna, mas outros apenas giram para a direita ou esquerda.

Por isso, a dica é observar o quanto você pode recuar a pastilha, pois, se ela ficar muito dentro da pinça, durante a frenagem, o disco será prensado contra a pinça e não contra a pastilha.

Algumas dicas são muito importantes para que você entenda o que está acontecendo com os freios, mas caso você não tenha conhecimento de mecânica é melhor levar até uma oficina especializada que vai diagnosticar o problema e arrumar para você sem mais prejuízos. Faça uma revisão periodicamente e evite problemas futuros. Venha para a Indy Bike.

Publicado em

Manutenção da bike, quando fazer?

Nossa Bike é nossa paixão, cuidamos dela com todo empenho. Mas ela é um equipamento mecânico, que pode, sem mais nem menos, falhar em algum momento. Ela precisa de cuidados especiais e manutenção preventiva.

Vamos ver o que é preciso e qual a periodicidade que a manutenção deve ser feita.

A lubrificação da corrente pode ser feita em casa mesmo, com cera lubrificante, não graxa, mas fazer uma revisão mais detalhada, se você não tem conhecimento nenhum, por favor nem tente. Veja as dicas para manter sua bike sempre pronta para pedalar…

Limpeza

Quanto a isso não tem problema nenhum fazer em casa, porém o indicado é utilizar produtos próprios para limpeza de bike, existem desengraxantes e shampoos especiais. Siga as instruções de cada produto e limpe sua bike da maneira indicada. Não se esqueça que após tirar o excesso da corrente, é preciso passar cera novamente. Utilize bucha e escova para fazer isso, também existem kits específicos para limpeza de corrente.

Período para Manutenção

A maneira como você usa sua bike influencia diretamente no tipo de revisão e na periodicidade da mesma. Vamos ver?

Uso na cidade – o ideal é a cada 6 meses, porém, manter cera na corrente, lavar periodicamente é essencial para manter os componentes da sua bike em perfeito funcionamento.

Uso misto (Trilhas leves e cidade) – se você faz trilhas duas vezes por mês e usa a bike na cidade para pedal em grupo e/ou trabalho, o ideal é fazer a revisão a cada 3 meses.

Uso constante em Trilhas (Tipo toda semana) – se você usa sua bike semanalmente em trilhas, não deixe de fazer a manutenção, pelo menos uma vez por mês. Agora se por acaso pegar chuva e juntar barro, o ideal é fazer a revisão logo após o uso.

Agora, se você é o tipo de pessoa que quer saber mexer na sua bike, economizar uma grana e entender melhor como funciona o mecanismo das magrelas, tudo bem. Mas procure uma empresa especializada que te dê um curso e te qualifique para isso, porque a tecnologia embarcada nas bikes hoje é de alto nível.

Não faça isso em casa…

Apesar de ser um equipamento simples, fazer uma manutenção numa bike, exige ferramentas especificas. E tenho certeza que algumas dessas ferramentas você não vai ter em casa, portanto cuidado, não fique mexendo a toa. Por exemplo, existe ferramenta especifica para soltar o pedivela, para soltar o Free Rub, para abrir o elo da corrente, entre outras coisas.

Não tente regular as marchas da bike em casa. Isso também é um serviço chato e se você mexer pode estragar toda a relação da bike. E dependendo do modelo, a brincadeira não é barata. Caso se arrisque mexer e fizer besteira, o câmbio traseiro por exemplo, pode virar e entrar no meio dos raios. Porque ele tem uma trava limite, tanto para cima, quanto para baixo. Não arrisque.

Não dê uma de curioso para mexer no freio hidráulico da sua bike, isso é um serviço extremamente chato e dever ser feito por um especialista. O ideal é sangrar os freios uma vez por ano. Se pedala em locais com muitas descidas íngremes, que exigem muito do freio, faça essa sangria duas vezes por ano. Também é preciso trocar o óleo do freio. Lembre-se que freio é segurança, não acessório.

Se a suspensão começar a fazer barulho, não travar e estiver com um funcionamento anormal, te aconselho a levar a um especialista também, dê preferência a um mecânico que tenha curso de suspensão, porque existem alguns profissionais que se arriscam a desmontar, e nem sequer sabem o que estão fazendo, tenha precaução.

O ideal é fazer duas vezes por ano, verifique o que o fabricante indica e siga a risca, porque suspensão também é item de segurança.

Revisão Completa

Se pedala somente no asfalto, faça essa revisão pelo menos uma vez por ano. Esse tipo de manutenção é feita da seguinte maneira. A bike toda é desmontada, fica somente o quadro, sem peça alguma.

Nesse tipo de revisão todos os componentes são lavados e lubrificados. Daí montados novamente. É retirado suspensão, pedivela, guidão, canote de selim e etc.

Se faz trilhas eventualmente, o ideal é fazer esse tipo de revisão umas 3 ou 4 vezes por ano. E se você faz trilhas direto, faça esse tipo de revisão a cada 2 meses.

Dica:

Calibragem dos pneus é essencial, pneus bem calibrados evitam furos e isso deve ser feito sempre. Eu não aconselho calibrar pneu em postos de combustível, o ideal é investir numa bomba com manômetro.

Quando encaminhar sua bike para revisão, não se esqueça de pedir para o profissional medir o desgaste da relação de marchas, o desgaste das pastilhas de freio e dos discos.

Quando você forçar para pedalar e escutar um grande barulho e o pedivela girar em falso, isso pode indicar desgaste da relação. Nesse caso o ideal é trocar a relação toda. Corrente, coroas e cassete.

A Indy Bike tem profissionais qualificados e treinados para fazer o melhor em sua bike. Venho nos visitar e agende uma revisão. Boas pedaladas!

Publicado em

Ciclocomputadores, para que servem?

Para se fazer uma viagem de bicicleta, o único equipamento realmente necessário, é própria bicicleta. Mas alguns aparelhos modernos acabam ajudando um pouco. É o caso por exemplo do ciclocomputador ou computador de bordo.

Na verdade, este é um nome um pouco exagerado. A principal função dele é simplesmente registrar as distâncias percorridas pela bicicleta, assim como os odômetros dos carros. Isto é muito importante em viagens de cicloturismo.

Imagine, por exemplo, que você está percorrendo um trecho de 100km entre dois pontos, numa região desconhecida, e sem o ciclocomputador. Lá pelo final do dia, como saber quanto ainda falta? Como saber se vale à pena apressar o ritmo, ou se é melhor procurar um lugar para se abrigar e passar a noite?

Conhecendo a distância percorrida, calcula-se quanto ainda falta. Além disso, ele ainda possui outras funções interessantes como a média horária por exemplo. Conhecendo a sua velocidade média, fica mais fácil calcular aproximadamente o tempo que será gasto para o próximo trecho.

Depois podem existir inúmeros outros recursos, não tão necessários no cicloturismo, mas que podem ter sua serventia (muita gente usa em treinamento), como por exemplo, médias parciais, velocidade máxima, altímetro, termômetro, freqüência cardíaca, etc.

Mas para que o ciclocomputador funcione corretamente, é necessário que ele seja calibrado de acordo com a sua bicicleta. O princípio de funcionamento dele é muito simples. Um pequeno imã preso aos raios da roda dianteira passa próximo a um sensor no garfo. Assim o dispositivo funciona como um conta-giros. Multiplicando o número de giros pelo perímetro do pneu ele fornece a distância total percorrida.

Existem alguns métodos para se descobrir o perímetro do pneu. O mais simples consiste em passar uma trena em volta do pneu e verificar quantos centímetros são. Porém, nem sempre este método dá muita precisão. Uma outra maneira é fazer uma marca com giz na lateral do pneu e andar com a bicicleta até que o pneu dê exatamente dez voltas. Mede-se a distância percorrida, divide-se por dez e tem-se uma medida mais aproximada da real.

Se quiser ser rigoroso mesmo, coloque o seu peso mais o da bagagem na bicicleta ao fazer a medida, pois isso pode alterar ligeiramente o raio do pneu. A pressão de ar no pneu também pode interferir, por isso deixe-os com a calibragem que costuma usar ao pedalar. Mas tanta precisão não é tão importante no cicloturismo pois geralmente as informações de percurso que temos, como por exemplo, guias de estrada, placas e etc., são pouco fiéis às distâncias reais.

E cuidado! Geralmente nos manuais que acompanham os ciclocomputadores há um alerta: nas primeiras vezes que sair para pedalar com o seu novo aparelho, tome cuidado para não passsar tempo demais olhando para ele. Este é um aviso de segurança, é claro, para que você não se distraia e acabe se envolvendo num acidente.

Mas aqui vai um outro conselho: mesmo depois de acostumado com ele tome cuidado para que ele não tome conta do seu passeio ou viagem. Não fique preso às distâncias e velocidades. Lembre-se que o ciclocomputador é apenas uma ferramenta para você aproveitar melhor a sua pedalada. Não deixe de olhar a paisagem para ficar hipnotizado pelos números do computadorzinho.

Dicas:

– Ao contrário do que se poderia imaginar, nem sempre os moradores locais sabem informar corretamente as distâncias em quilômetros. Mais um motivo para conseguir estas informações com antecedência e acompanhá-las no ciclocomputador durante a pedalada.

– Ao final de cada dia da viagem faça uma anotação num caderninho dos dados importantes registrados no ciclocomputador. Não é bom confiar cegamente em aparelhos eletrônicos.

– Sempre que deixar a bicicleta para fazer alguma coisa lembre-se de levar consigo o ciclocomputador, pois ele é uma peça muito fácil de ser roubada.

– Caso o seu ciclocomputador não seja à prova d’água (ou mesmo que ele seja) você pode cubri-lo com uma camada de filme plástico destes utilizados na cozinha.

Ter um velocímetro na bike, indiferente de seu perfil de ciclista, aumenta sua relação com a atividade, torna o ciclista mais consciente das variáveis ajudando a estabelecer metas, limites e ser capaz de melhorar sua performance e estar mais ciente da intensidade, tempo e distância que percorre. Criando uma relação ainda mais interessante e técnica sobre sua pedalada.

Na Indy Bike você encontra alguns modelos e valores que podem caber no seu orçamento. Confira!

Publicado em

Manutenção: Como cuidar dos freios da sua bicicleta?

A bicicleta precisa de cuidados especiais para garantir o funcionamento de todos os componentes e, então, prolongar a vida útil deles. É necessário revisá-la com certa frequência.

O freio é um dos sistemas mais importantes da bike, pois é um componente essencial, que garante segurança para o ciclista.

O ideal é sempre fazer manutenção preventiva, limpeza periódica e, até mesmo, pequenos reparos. Isso porque o tempo de uso e o desgaste natural causado pelo clima podem reduzir a vida útil dos freios.

Como fazer a manutenção para bike em cada tipo de freio?

 Apesar de existirem vários tipos de freio, atualmente os mais usados são o V-Brake e o freio a disco nas Mountain Bikes, e os freios side pull nas bikes de estrada.

Porém, basicamente os freios são divididos em freios de aro e freios a disco.

FREIOS DE ARO

Os freios de aro mais utilizados são o V-Brake, que é geralmente encontrado nas Mountain Bikes e nas bikes urbanas, e o side pull (estilo ferradura), que é mais comum nas bikes de estrada.

O que deve ser observado e revisado nesses tipos de freio são a condição dos cabos e conduítes, das sapatas de freio, e o alinhamento dos aros. Isso é importante por causa da proximidade dos aros que, se estiverem desalinhados, podem fazer com que a sapata de freio esbarre no aro, o que deixará a bicicleta mais lenta.

Para fazer a manutenção nesse tipo de freio, você mesmo pode limpar e lubrificar os cabos. Basta desconectar os conduítes dos batentes do quadro e passar um pano limpo nesses cabos. Para lubrificar, utilize um óleo de qualidade.

Além disso, verifique se as rodas estão alinhadas e, se não estiverem, é recomendado que você leve a bicicleta em uma oficina especializada para realizar esse tipo de serviço.

A área de contato entre os aros e as sapatas precisa estar limpa. Isso porque, com o tempo, os aros tendem a se tornar emborrachados e, com isso, as sapatas podem ficar laminadas devido ao resíduo de alumínio dos aros. Se elas chegarem a esse ponto, é recomendado lixá-las até que fiquem com o aspecto original.

FREIOS A DISCO

Existem dois tipos de freios a disco: o hidráulico e o mecânico (a cabo). Para os freios mecânicos, assim como para os V-Brakes, é preciso ter cuidado com a condição dos cabos e dos conduítes e, também, com o desgaste das pastilhas.

Isso se deve ao fato de que, quando esse tipo de freio é acionado, apenas um lado da pinça se movimenta. Então, se as pastilhas estiverem muito desgastadas e esse ajuste não for feito, o disco pode empenar.

Por isso, ao fazer a manutenção desse tipo de freio, confira se houve esse desgaste e, para regular a distância da pastilha que se movimenta, gire o parafuso de ajuste, que se encontra ao lado da pinça.

Já para os freios hidráulicos, em que as duas pastilhas se movimentam, só é necessário conferir as condições das peças e fazer a troca após o tempo adequado de uso.

Verifique no manual da sua bike qual o tipo de fluido é utilizado. É recomendado trocar o fluido de freio DOT, pelo menos, a cada 6 meses, e o fluido mineral, uma vez por ano.

Porém, esse tipo de serviço de sangria para a troca de fluido só deve ser feito por um profissional qualificado, pois, se não for bem executado, pode comprometer o funcionamento dos freios e, consequentemente, colocar em risco a sua segurança.

Apesar da manutenção feita em casa ser importante, é fundamental contar com uma oficina de qualidade para garantir o bom estado e prolongar a vida útil da bicicleta.

Se você busca um serviço de qualidade para sua bike, venha conhecer a Indy Bike. Nossos profissionais são altamente treinados e qualificados nesse assunto. Deixe sua bike com quem entende do assunto e pedale com segurança!

Publicado em

Como escolher o guidão da sua MTB.

O guidão de uma bicicleta tem uma enorme influência em como o ciclista vai interagir com a bike. Afinal, além de ditar onde você vai colocar as mãos, suas medidas como inclinação, altura e comprimento têm influência direta no sistema de direção da bike.

Antigamente, todos acreditavam que o guidão precisava ser super estreito. Porém, principalmente depois das chegadas das bikes aro 29, os guidões mais largos ganharam espaço, por oferecerem mais conforto e pilotagem mais precisa em terrenos técnicos.

Portanto, entenda um pouco melhor este componente e acerte na hora de escolher um guidão novo para sua bike.

Largura

Atualmente, a maioria dos guidões de mountain bike tem entre 700mm e 780mm de largura. Via de regra, guidões mais largos são usados em bikes indicadas para pedais mais agressivos, como enduro e all-moutain. Em alguns casos, bikes de downhill podem usar guidões de 800mm.

Vale destacar que, quando o guidão fica mais largo, a mesa costuma precisar ficar mais curta. Isso porque combinar um guidão largo com uma mesa longa aumenta demais a alavanca no eixo de direção.

Pode parecer complicado, mas o importante a entender é que, neste caso, a bike fica parecendo um “caminhão”. Ao mesmo tempo, mesas curtas e guidões estreitos deixam a bike arisca e imprecisa.

Cross-Country – Nos dias atuais, o guidão de uma bike de XC fica entre 700 e 750mm. Algumas pessoas ainda apostam em guidões mais estreitos, com até 680mm de largura. Essa combinação pode funcionar bem, principalmente no estradão de terra, combinado com uma mesa mais longa. Porém, o controle da bike, em situações mais técnicas, fica comprometido.

All-Moutain / Enduro – A maioria dos pilotos desta modalidade apostam em guidões que ficam entre 740mm e 780mm de largura. Como trata-se de modalidades que exigem controle em situações técnicas ou pistas com grande inclinação, a mesa costuma ser mais curta. Obviamente, essa configuração dificulta um pouco o controle da bike nas subidas.

Downhill – No downhill, raros são os pilotos que preferem um guidão mais estreito do que 780mm. Isso porque, nesta modalidade, o controle nas descidas é o mais importante. Como o guidão é super largo, as mesas são super curtas – alguns modelos ficam diretamente sobre a espiga da suspensão, oferecendo 0mm de avanço.

Altura

A altura do guidão, também conhecida como rise, tem relação direta com o conforto e com a pilotagem da bike. Um guidão reto, ou rise, vai deixar o ciclista em uma posição mais baixa e aerodinâmica. Além disso, por depositar mais peso no eixo dianteiro, ele permite melhor controle e menos empinadas em subidas inclinadas.

No entanto, o guidão mais baixo provoca mais dores nas mãos e nas costas, além de dificultar a transposição de descidas mais inclinadas, com uma maior sensação de que a bike vai virar para frente. Um guidão mais alto, por outro lado, permite uma posição mais confortável, mas a bike fica mais complicada de controlar nas subidas inclinadas e menos aerodinâmica.

Sugestão de altura – A maioria das bikes de XC competitivo são equipadas com guidões retos, já que o desempenho atlético é o maior objetivo da modalidade. No enduro, all-moutain e downhill, o guidão costuma ser mais alto; porém, essa altura é extremamente ligada a preferência pessoal do atleta.

Dessa forma, é complicado recomendar uma altura de guidão por modalidade. Nossa sugestão, neste caso, é prestar atenção em como você se sente sobre a bike. Se está sentindo dor nas costas ou nas mãos, um guidão mais alto pode ser uma boa opção. Se a bike empina demais na subida, tente um guidão mais baixo. Ficou com medo demais em trechos inclinados? Talvez um guidão mais alto possa te ajudar.

Backsweep

O backsweep é a inclinação para trás do guidão. Ela existe porque um guidão 100% reto deixaria os punhos em uma posição extremamente desconfortável. O valor do backsweep pode variar bastante, indo de 3 até 9 ou mais graus.

Upsweep

É como o backsweep, mas para cima. Ele não deve ser confundido com a altura (rise) do guidão. Na verdade, o upsweep é a inclinação que o guidão tem para cima, e, mais uma vez, tem a ver com a posição que suas mãos e punhos sentem-se mais confortáveis para pilotar.

Ajuda profissional

Assim como tudo que envolve postura em cima da bicicleta, o bike fit é uma excelente forma de escolher um guidão com mais facilidade. Por isso, a ajuda de um profissional de posicionamento postural é sempre bem-vinda.

Porém, no MTB, o fator pilotagem também conta muito, e, muitas vezes, a melhor posição para pedalar não é a ideal para descer aquela trilha super inclinada que você adora. Por isso, na escolha do guidão, preste muita atenção em como você sente a bike e também em como ela se comporta em subidas, descidas e curvas.

Venha para a Indy Bike e converse com nossos consultores especializados e tenha uma boa escolha. Pedalar faz bem a saúde, mas é preciso ter cuidado na escolha de seus equipamentos. Boas pedaladas!

Publicado em

Revisão da Bike. Um assunto sério.

As bicicletas com o passar do tempo, vão se deteriorando, algumas peças param de funcionar, deixando a experiência do pedalar mais difícil. Por incrível que pareça, uma bicicleta suja, sem cuidados, atrapalha, e muito, no desempenho durante os treinos.

A maioria dos ciclistas leva a bike para uma revisão em uma oficina. Ela vem bonitinha depois de uma lavada, mas será que foi realmente revisada?

Muita gente confunde lavagem com revisão. Um check-up de verdade consiste em checar folgas nos componentes. Para isso, é necessário desmontar os componentes e checar um a um.

Uma boa revisão na bike pode te salvar de muitos apuros.

Veja aqui os itens necessários que devem ser revisados

Folgas nos cubos

Os cubos devem ser lubrificados regularmente de acordo com a quilometragem rodada e condições dessa rodagem. Não há tempo definido. Você pode checar com seis meses de uso e ver as condições da graxa, se já estiver escura, tem que limpar e trocar. Se ainda tiver com a cor original, da próxima vez você pode alongar mais o tempo para abrir novamente. Mas uma vez aberto, é melhor revisar tudo.

Outra maneira de verificar se há folga sem abrir tudo é a seguinte: Tendo certeza de que a roda está bem presa no quadro, levante-a do chão, segure no pneu e tente balançar lateralmente. Se sentir algo mexer, tem que abrir. Para fazer esse procedimento na roda traseira, deixe a corrente na coroa menor no cassete e tire do pedivela. A pressão da transmissão pode mascarar uma folga leve.

Folga no pedivela

O movimento central também pode abrir folga. Quando isso acontece tem que trocar. O primeiro sinal de que tem algo errado com ele é sentir algum atrito interno ao girar. Para fazer isso, o ideal seria tirar o pedivela e mover o eixo com os dedos. Se não estiver liso, é sinal de que está se deteriorando.

No movimento selado é inviável fazer manutenção interna.

Já no caso dos pedivelas integrados, você consegue abrir as laterais e inspecionar o rolamento. Nesse caso, a manutenção necessária é nos moldes dos cubos. Abrir, checar e trocar a graxa.

Folga na mesa de direção

Essa é o problema mais fácil de ser detectado. Se você sente uma trepidação quando freia a roda dianteira é por que abriu uma folga ali. Você pode simplesmente soltar a mesa e apertar o parafuso da aranha um quarto de volta de cada vez até a folga sumir e o guidão ainda continuar livre. Depois reaperte a mesa.

Mas se apareceu folga, é melhor programar uma revisão que consiste em checar o rolamento e trocar a graxa. Se estiver faltando alguma esfera, troque o rolamento.

Desgaste do aro

Uma coisa que literalmente acaba com o passeio é aro estourado. Para quem usa V-Brake é fundamental checar de tempos em tempos, e principalmente antes de sair para pedalar, se o aro apresenta algum afundamento. Não espere por uma curva enorme, basta um milímetro a menos na parede para um possível problema.

Tenha sempre em vista um bom lugar, na qual você tenha plena confiança, para a execução de uma revisão completa, principalmente se sua bicicleta conter peças muito sofisticadas e caras.

Mas o melhor mesmo a fazer e levar sua bike a uma oficina especializada para fazer uma revisão e manutenção da sua bike. Venha conhecer o Centro Técnico Especializado da Indy Bike e deixe sua bike com quem entende.

Publicado em

Evite os furos no pneu da sua bike.

Se há um problema “mecânico” da bike com o qual você pode se preocupar ou acondicionar na hora de sair para pedalar são os furos.

Vamos tentar resumir todos os sistemas possíveis que existem para prevenir e reparar os furos dos pneus.

Em estrada é difícil furar o pneu, mas se você andar pela cidade, ou algumas estradas em mau estado (especialmente no verão), pode ser que fure com mais facilidade.

Em primeiro lugar, é muito importante calibrar os pneus com uma pressão adequada. Para andar em estradas, usar pressão bastante alta e nem sempre é fácil chegar a essa pressão com uma bomba manual ou um compressor. Eu recomendo ter sempre em casa uma bomba de pé, como por exemplo, a bomba 500 ou bomba 900, e inflar as rodas antes de cada partida, uma vez que, com o passar do tempo, eles perdem a pressão.

Se a bomba tem manômetro é muito melhor, assim você saberá exatamente qual é a pressão dos pneus. O fabricante sempre indicará na lateral do pneu a pressão mínima e máxima que você deve colocar.

Em segundo lugar é muito importante o estado dos pneus. Verifique se não estão rachados ou gastos pela banda de rodagem, porque seria mais fácil furar e também pode ser perigoso pela perda de aderência. Existem diferentes qualidades de pneus e diferentes desenhos conforme a utilização.

Quanto mais lisos menos aderência vão ter e mais rápido andaremos em reta, quanto mais desenho mais aderência e segurança. Recomendamos os primeiros para verão ou locais com tempo seco e os segundos para inverno e locais com tempo de chuvas ou com estradas em mau estado.

Se você ainda quer evitar furar o pneu, o melhor que você pode fazer é colocar uma câmara anti-furos, que possui dentro um líquido protetor que, em caso de furo, tamparia o orifício e você poderia continuar a circular sem problemas. Na grande maioria dos casos não se percebe que pneu foi furado.

Caso você ainda assim fure o pneu, porque o furo é muito grande ou o pneu estoure por cacos de vidro ou algo parecido, o mais fácil e seguro é trocar a câmara. É um exercício muito simples e em 3 ou 4 minutos você estará circulando novamente.

Se você não tem câmara anti-furos e você furou o pneu, você tem outra possibilidade antes de trocar a câmara. Espuma reparadora que será colocada através da válvula. Essa espuma atuará fazendo um tampão no furo e dura apenas 8 horas, assim que, quando chegar em casa, você terá que trocar a câmara de qualquer maneira, mas pelo menos você está fora do aperto!

Neste caso é muito mais fácil furar porque o terreno que você está indo é mais “sujo”, e tendo mais objetos, buracos e outros obstáculos colocados pela natureza, haverá mais possibilidades de furar ou de ter um estouro.

Primeiramente, assim como na estrada, você deve certificar-se de que seus pneus estão com a pressão indicada e em bom estado, uma vez que uma pressão ruim ou pneus gastos em excesso podem fazer você cair. Além disso, o tal furo pode ser perigoso.

Em caso de sistema de inflado e anti-furo você tem diferentes opções:

  • Câmaras anti-furos: o seu funcionamento é o mesmo que na estrada e se os pneus estão em bom estado, podemos garantir a você que nada incomodará sua partida. São montados como uma câmara normal e seu preço não é muito maior.
  • Faixas anti-furos: este produto é montado entre a câmara e o pneu. É uma faixa de proteção acrescentada que torna mais difícil chegar o espeto em questão até sua câmara. Combinado com câmara anti-furos pode ser que você tenha em sistema infalível.
  • Pneus tubeless: este sistema não usa câmara, funciona como as rodas de um carro, a calota vem preparada para não entrar ar pelas juntas e montando um pneu também tubeless não haverá problemas. Dentro do pneu se insere um líquido protetor que tamparia qualquer vazamento que nosso pneu pudesse ter.

Este sistema é mais complexo de montar e mais caro, mas posso lhe assegurar que é o mais confiável. A única manutenção necessária é trocar o líquido a cada 6 meses aproximadamente, sendo mais leve, não morde a câmara interior (porque não existe) e os pneus são mais duros que os normais.

 

É importante que tanto os aros como os pneus estejam preparados para montar tubeless. Se o aro não estiver, você achará kits para poder fazê-lo com um fundo específico.

Como você pode ver, existem algumas opções para evitar os furos. Se você ainda tem dúvidas, venha até uma de nossas lojas Indy Bike e nossos consultores técnicos com certeza o ajudarão a resolver esse problema.