Publicado em

Como escolher sua primeira bike.

Saber o que você quer da bicicleta é passo mais importante para a escolha da sua companheira do asfalto ou das trilhas.

Entrar hoje em uma loja de bicicletas é como escolher o carro na concessionária. Tipos, modelos, tamanhos e acessórios existem aos montes e para todos os bolsos. A melhor bike, no entanto, deve ser aquela que mais se adequa à forma como você pretende usá-la. Além de ter um custo condizente com o seu bolso, até porque se a ideia é investir na sua primeira bike não é bom gastar aquela fortuna. Uma bicicleta ruim ou que não condiz com o uso que fará dela é o primeiro passo para você deixá-la encostada, acumulando poeira.

Saiba o que você quer para sua bicicleta

A primeira escolha é a mais simples. Se o seu objetivo for treinar ou fazer uma atividade aeróbica complementar à musculação, você poderá optar pela mountain bike ou pela de estrada. A primeira é um curinga do ciclismo. Encara desafios em qualquer terreno e condição, até na cidade. Ela conta com uma coroa a mais na transmissão da corrente (o menor círculo da frente, de 22 dentes), que permite reduzir a força na pedalada, principalmente nas subidas. Já a de estrada potencializa a velocidade, priorizando o desempenho, e deve ser o foco de quem busca um treinamento regular e resistência aeróbica. Como o nome sugere, exige pisos nivelados como o asfalto.

Agora, se o propósito for apenas dar um giro nos fins de semana ou usá-la como meio de transporte na cidade, os modelos híbridos, as bicicletas urbanas, com geometria mais simples, bagageiro e guidão alto (que favorece o conforto), e mesmo as mountain bikes podem ser opções mais acertadas.

Ao definir o tipo de bicicleta, é importante analisar os seus componentes antes da compra. A qualidade e o equilíbrio entre elas variam muito, determinando o valor final do veículo, que pode variar mais de 200%. Quanto mais leves e resistentes, mais caras. A recomendação dos especialistas é: pense em gastar 10% a mais, nunca 10% a menos.

Sob medida

Bicicletas grandes demais ou pequenas para o seu tamanho podem ser causa de dores e desconforto. Não adianta comprar uma bicicleta muito cara se ela for do tamanho errado. Perde-se rendimento e possíveis dores podem fazer você parar de pedalar. Por isso, muitas lojas especializadas oferecem o serviço de bike fit, ajuste da bicicleta ao tamanho do usuário. O tamanho correto do quadro, o ajuste da altura do selim, a distância do guidão, do pedivela e de outros componentes, além de prevenir lesões, aumentam o conforto e o prazer de pedalar. Confira alguns ajustes importantes:

Guidão

Baixo, ele favorece o rendimento (no caso de uma bike de estrada). No entanto, pode causar tensão na região lombar e no pescoço, tanto no trapézio quanto na cervical, além de sobrecarregar os tríceps. Alto, o guidão aumenta o conforto e também a resistência do corpo ao ar. Embora muitos usem o antebraço como medida entre o selim e o avanço (ou mesa), a prática é controversa. Alguns especialistas preferem usar o joelho como referência. Sentado na bike, com um dos joelhos à frente e apoiado no pedal (paralelo ao chão), a patela deve estar alinhada ao eixo do pedal. Já o guidão deve bloquear a visão do cubo (centro) da roda da frente, de forma a não causar uma hiperextensão no pescoço.

Quadro

O tamanho de uma bicicleta está relacionado diretamente ao seu quadro. Se muito curto, ele gera insegurança e desequilíbrio; se longo, pode ocasionar dor na região lombar. Para encontrar o tamanho certo de quadro, deve-se medir  o “cavalo” do ciclista – que vai do início da região interna da coxa até o pé. Com essa medida, faça a seguinte conta:

  • Em bike de estrada: multiplique a altura do cavalo por 0,65. O resultado é dado em centímetros.
  • Em mountain bike: subtraia 10 cm da altura do cavalo e divida por 2,54 (uma polegada). O resultado é em polegadas.

 Selim

É o banco da bicicleta. Quando muito alto, força a virilha e as panturrilhas, esticando o tendão calcâneo e dificultando a descida da bike. Se baixo, força demais a patela, os ligamentos e tendões e prejudica a potência da pedalada. Mantenha-o na altura da crista ilíaca da bacia. Quando sentado, a perna deve ficar estendida, mas relaxada, com o calcanhar apoiado no pedal. Para se certificar, pedale para trás nessa posição. Se o quadril se movimentar, é porque o selim ainda está alto.

Aproveite bem essas dicas. A Indy Bike já esta no clima da Black Friday. Visite nosso site ou uma de nossas lojas físicas e aproveitem as melhores condições para você comprar a sua bike.

Publicado em

7 dicas para lavar sua bike em casa.

Pode ser depois de um pedalada… Ou mesmo depois de várias… Uma hora a sua bicicleta vai ficar suja e precisará de uma boa lavagem e saiba que há várias dicas para lavar a bike em casa com muita facilidade!

É preciso sempre dar um trato na bike, já que a sujeira acumulada prejudica o pedal e danifica peças. A lavagem periódica da bicicleta mantém ela sempre pronta para o pedal. E claro, vai deixá-la bonita, o que por vezes atrai olhares.

Além do aspecto limpo, sua bike vai rodar como nova depois de você fazer uma lavagem em casa seguindo essas 7 dicas. Confira!

1. SEPARE UM LUGAR PARA LAVAR A BICICLETA.

Pode parecer até bobo dizermos isso, mas ter um local para lavar a bike em casa é o primeiro passo antes de começar a limpeza. O espaço deve acomodar você e a bicicleta, sem aperto, já que você vai se movimentar bastante para lavá-la.

Há muitas opções para escolher, como a garagem, um quintal, a área de serviços, ou em outro espaço em que ninguém atrapalhe sua lavagem é perfeito!

2. USE MATERIAIS PRÓPRIOS PARA LAVAGEM.

Quando falamos em lavar a bike em casa, não é necessário um aparato profissional, mas é preciso algumas coisas específicas. A melhor parte é que vários dos materiais básicos você já deve ter em casa. Separe cada item:

  • panos;
  • balde;
  • luvas de borracha;
  • luva de pelúcia ou espuma macia;
  • detergente neutro ou sabão em pó;
  • desengraxante para bike;
  • escovas de dentes velhas;
  • escovas de cerdas macias e duras;
  • mangueira ou regador.

3. NÃO USE ESPONJAS ABRASIVAS.

Em hipótese nenhuma use uma esponja ou outro material abrasivo para lavar sua bike em casa. Esses produtos servem para fins específicos de limpeza e que não são os mesmos para as bicicletas!

O alerta não é para menos, já que esfregar um material abrasivo na bike vai tirar o verniz do quadro, e estragar peças, como aros e pastilhas de freio.

4. JOGUE ÁGUA NA BIKE PRIMEIRO, ANTES DE ESFREGÁ-LA.

Para começar a lavar a bike em casa jogue água nela toda primeiro. Assim a sujeira, como barro e poeira de asfalto, começa a sair aos poucos.

Sempre use a mangueira com um jato mais fraco, já que jatos fortes d’água empurram a sujeira para dentro de peças como caixa de direção e cubos. Por isso até alguns ciclistas preferem usar um balde ou regador ao lavar a bike em casa.

5. COMECE PELO QUADRO E SUSPENSÃO.

Depois de jogar água na bicicleta, comece passando o pano molhado, a luva de pelúcia, ou a espuma com sabão ou detergente, no quadro e suspensão.

Essas são peças que geralmente ficam menos sujas do que rodas e relação de marchas, e devem ser as primeiras a serem lavadas. Começar limpando peças mais sujas primeiro acaba sujando o resto da bike que está mais limpo!

6. LIMPE A RELAÇÃO DE MARCHAS COM CUIDADO.

Sempre use produtos adequados para a limpeza da relação de marchas. Para essa tarefa o desengraxante para bike é perfeito, já que tira a sujeira e graxa velha sem danificar nada ou deixar manchas pela bicicleta.

Passe o produto em toda a relação e espere a sujeira “desgrudar”. Use escovas de dentes velhas ou a escova de cerdas mais duras para então passar nas peças. Só pare a limpeza depois que toda a sujeira sumir!

7. RETIRE AS RODAS E ESCOVE OS PNEUS.

Lave as rodas e os pneus por último, já que a sujeira aqui é “brava”. Molhe de novo essas peças para ajudar a soltar a sujeira antes de esfregá-las.

Esfregue os pneus com a escova de cerdas duras e jogue água até tirar a sujeira. Depois vá para os aros, que devem ser escovados com cerdas macias.

O cassete e o disco de freio — para quem usa freios a disco — devem ser limpos com a escova também, para depois receber um tratamento fino com o pano. Limpe cada disco e engrenagens do cassete com o pano, e depois jogue água.

Depois disso é só montar as rodas e secá-la com um pano macio e seco e pronto. Mas se você não tem muito conhecimento ou mora em lugares que não tem espaço, pode levar sua bike na Indy Bike. Aqui o serviço é feito por profissionais qualificados que vão deixar a sua bike limpinha e bem cuidada. Venha nos visitar!

Publicado em

Entenda a importância da manutenção e da revisão periódica da sua bike.

A corrente da sua bicicleta já se soltou ou rompeu? Seu freio já travou ou seu pneu te deixou na mão? Todos esses exemplos podem e devem ser evitados. Leia nossa matéria e entenda os motivos da revisão ser essencial para todos os praticantes do ciclismo.

O hábito de pedalar possui muitos benefícios, seja para a saúde, emagrecimento, prevenção de doenças, desenvolvimento das habilidades nas crianças e muito mais. Entretanto, pedalar também exige equipamentos especiais para que o passeio, treino ou participação em campeonatos sejam seguros e garantam o bem-estar do ciclista.

Por estes motivos, a revisão e a manutenção das bicicletas são muito importantes. Inclusive, manter a bike em ordem aumenta o tempo de vida dos equipamentos, diminui a quebra de peças e economiza gastos indesejados e imprevistos. Além disso, a frustração em ter que interromper o percurso é muito desagradável. Por isso separamos os principais pontos de cuidado para a manutenção e revisão da sua bike. Confira.

Dicas para fazer em casa:

Existem muitos cuidados específicos com a sua bike que podem evitar dores de cabeça no futuro.

  • Limpeza: lavar a bicicleta com água e sabão neutro e secar com um pano macio. Uma esponja suave também pode ser usada para ajudar na limpeza dos resíduos.
  • Calibragem: manter os pneus sempre cheios com a calibragem correta de acordo com a sua bike.

Revisão para fazer com mecânicos especializados:

Em algumas situações é melhor contar com a ajuda de profissionais qualificados, que possuam os equipamentos, infraestrutura e conhecimento adequado para deixar sua bike sempre segura.

  • Ajustes: verificação e regulagem da suspensão, freios e câmbios, pois com o tempo a bike sofre um desgaste natural e pode ficar desregulada.
  • Lubrificação: lubrificação das correntes e engrenagens.
  • Revisão completa (pelo menos uma vez ao ano): consiste na desmontagem e remontagem total da bike, englobando cuidados com a corrente, cassete, canote, pé de vela, caixa de direção, freios, cambio, movimento central, cabos, conduítes, cubos da roda e muito mais.

Uma dica bacana para manter os cuidados sempre em dia é ter um planilha de manutenção que contenha todos os cuidados realizados ou a serem feitos na bike. Como por exemplo:

– Data da última revisão;

– Data da troca de equipamentos e acessórios;

– Pressão dos pneus;

– Pressão dos amortecedores;

– Altura dos manetes de freio;

– Dados do bike fit completos;

– Quilometragem.

Com todas essas informações fica mais fácil cuidar da sua bike e pedalar tranquilo, não é mesmo? E não deixe de fazer as manutenções regularmente para evitar problemas futuros. Venha conhecer nosso Centro Técnico e deixe sua bike com quem entende de bike. Boas pedaladas!

Publicado em

Os segredos para uma calibragem perfeita dos pneus.

Uma dúvida frequente entre ciclistas e mountain bikers é a pressão correta a usar nos pneus.

A pressão correta não é um número fixo, imutável. A calibragem depende muito de alguns fatores que devem ser levados em consideração.

Em geral os pneus de speed são calibrados entre 80 libras psi e 130 libras. Pneus tubulares podem chegar até 160 libras psi.

No caso das mountain bikes, a calibragem pode variar de 30 a 60 libras psi, dependendo de vários fatores. A pressão correta varia muito em função do peso do ciclista, do tipo de pneu, das condições atmosféricas, do piso e do uso que se vai fazer.

O pneu dianteiro pode ser calibrado de 10-20% mais murcho que o traseiro para ajudar a amortecer as imperfeições do terreno e poupar os braços de impactos, especialmente no caso das speed e das mountain bikes sem suspensão dianteira.

CONSIDERE NA HORA DE CALIBRAR:

– Quanto mais leve o ciclista menos pressão é necessária nos pneus

– Quanto mais liso e perfeito o piso, maior pode ser a calibragem

– Menos pressão nos pneus significa mais atrito com o chão, portanto maior aderência

– Maior pressão significa menos contato com o chão, portanto menos aderência, e em contrapartida, maior velocidade

– Quanto mais fino o pneu, mais pressão ele admite

Em terrenos escorregadios (barro, areia, asfalto molhado) um pneu mais murcho terá maior aderência

A calibragem correta para os pneus de sua bike vem da combinação dos fatores acima. O melhor é cada ciclista fazer testes com várias calibragens e ver a que melhor se adapta a seu estilo e à necessidade do momento. Aumente ou diminua a pressão de seu pneu de 5 em 5 libras para ter parâmetros de comparação.

LEMBRE-SE:

Pneus excessivamente murchos são mais propensos a furos e se desgastam mais, e pneus mais cheios transmitem mais impacto ao ciclista, são mais lisos na chuva, mas em contrapartida tornam a bike mais rápida.

Evite encher seu pneu com bombas manuais elas foram criadas para consertos de emergência. O ideal para calibrar é usar bombas de pé, pois o movimento de vaivém das bombas manuais fazem a válvula balançar e com o tempo vai ocasionar o rompimento na junção da válvula com a câmara. Evite calibrar em postos de gasolina, pois o ar comprimido normalmente está contaminado com água e vai diminuir a vida útil da câmara de ar.

Publicado em

A corrente da bike quebrou, e agora?

A corrente é um componente que sofre grandes esforços já que transmite toda a energia gerada pelo ciclista. Com o passar do tempo, a corrente sofre um desgaste natural e se fragiliza. Quanto mais fina a corrente, como é o caso dos novos grupos de nove, 10 e 11 velocidades, mais frágil ela será.

Consertar uma corrente não é nenhum bicho-de-sete-cabeças, desde que você tenha a chave própria para isso. Vale a pena investir em uma chave de corrente e levá-la sempre com você para a trilha ou para aquelas pedaladas de speed na estrada.

Como fazer o reparo:

– Deite a bike com o lado da coroa pra cima;

– Identifique o elo ou os elos que se romperam;

– Coloque a corrente perfeitamente assentada no encaixe interno;

– Gire a manivela até encostar o extrator no pino da corrente;

– Continue girando a manivela forçando o pino para sair. Conte mais ou menos 6, 6 voltas e meia. Não extraia totalmente o pino, deixe-o ainda preso na lateral do elo. Se o pino sair totalmente vai dar uma dorzinha de cabeça ao tentar fechar o elo;

– Após retirar o elo danificado, basta repetir a operação de forma inversa e fazer a emenda;

– Se o elo ficar preso devido ao amassamento da reinstalação do pino, segure a corrente na horizontal e faça movimentos laterais fortes com as mãos para soltá-lo;

– É melhor tomar o rumo de casa! Correntes não quebram em vão, se quebrou é sinal que já está gasta e portanto frágil, e pode quebrar de novo. Desista da trilha, do treino ou do passeio e vá para casa;

– Providencie a substituição da corrente com urgência. Tenha consciência de que uma corrente quebrada indica a necessidade de uma nova.

DICA:

Quando adquirir sua chave de corrente peça ao vendedor ou ao mecânico para te explicar como utilizá-la corretamente. Para isso pratique em uma corrente velha. Na hora H você vai ter que saber usá-la.

Algumas ferramentas do tipo canivete multiuso têm chave de corrente, mas atenção: elas são perfeitas para situações de emergência, mas são mais difíceis de usar e normalmente mais frágeis. O ideal é ter mesmo uma chave de corrente clássica.

Publicado em

Você sabe como lavar sua bike e evitar problemas por acúmulo de sujeira?

Após pedalar numa trilha enlameada ou excessivamente seca, é necessária uma limpeza mais minuciosa na sua bike para evitar problemas mecânicos decorrentes da sujeira alojada em seus componentes. Entretanto, é preciso saber como lavá-la corretamente, pois um serviço mal feito pode ter efeito contrário, contribuindo para a degradação dos componentes ou mesmo danificar alguma peça. Então vamos dar algumas dicas para uma limpeza preventiva eficaz.

PASSO 1 – Após montar a bicicleta no suporte ou escolher o local apropriado para a lavagem, enxague a bicicleta, aproveitando esse momento para retirar sujeiras mais grossas. É importante tomar cuidado com a pressão da água ao lavar sua bike, pois muita pressão pode levar água para dentro de lugares vedados, como o cubo das rodas ou o movimento central na pedivela.

PASSO 2 – Com a bike ainda molhada, aplique o produto de limpeza por toda a bicicleta, com especial atenção à corrente e ao cassete (na roda traseira). Com a escova de cerdas macias, esfregue todo o quadro, rodas e componentes, com exceção do conjunto corrente, cassete e coroas, procurando pontos de sujeira acumulado. Feito isso, enxague bem a bicicleta.

PASSO 3 – A limpeza dos componentes que fazem a bike rodar, como cassete, corrente, coroas e câmbio, é fundamental – afinal, não só são indispensáveis para um bom funcionamento, como são os primeiros a se desgastar com o acúmulo de sujeira. Logo, é recomendável aplicar o produto de limpeza novamente nessas partes. Com uma escova de cerdas duras, esfregue bem esses componentes, em especial o cassete e a corrente. Ao final, volte a enxaguar bem.

PASSO 4 – Com um pano, de preferência já usado, seque bem a bike e lubrifique a corrente. Sua bike está pronta para outra.

O que você vai precisar para o trabalho:

  • Suporte para bicicleta: um suporte ajuda muito, tornando o serviço mais fácil e, consequentemente, regular – mas não é imprescindível;
  • Produto de limpeza: algum produto de limpeza, de preferência específico para bicicletas;
  • Pano de chão ;
  • Lubrificante;
  • Escova com cerdas macias;
  • Escova com cerdas duras;
  • Água, utilizada com moderação.

Mesmo com todas essas dicas não deixe de levar sua bike regularmente em uma oficina especializada para uma revisão. Bom pedal!

Publicado em

Segurança em primeiro lugar: 9 dicas para você pedalar seguro.

A bicicleta é um meio de transporte saudável e cada vez mais utilizado pelas pessoas, não só para emagrecer, mas também para driblar o trânsito das grandes cidades. Só que pedalar nos centros urbanos, em meio ao tráfego de veículos e de pedestres, pode ser bastante perigoso. Que tal ver algumas dicas para pedalar nas ruas com mais segurança?

1. Veja as condições de sua bicicleta

Sempre que for sair para pedalar, antes verifique, sobretudo, como estão os pneus e os freios, a fim de saber se tudo está em perfeito funcionamento. Procure conferir o maior número possível de itens, também o guidom, as rodas e correntes.

2. Use equipamentos de segurança

Principalmente para quem vai circular no trânsito, passando por veículos motorizados, é muito conveniente o uso de capacetes, luvas e óculos de proteção. Existem ainda roupas próprias para pedalar, que são acolchoadas e com cores chamativas que deixam os ciclistas mais visíveis para os motoristas.

3. Prepare a bicicleta para o seu tamanho

Quando tiver cedido a bicicleta para outra pessoa, ou for emprestada, faça os ajustes necessários para que ela se adapte ao seu tamanho e alcance de braços e pernas. O selim, por exemplo, não pode ficar muito baixo, pois os joelhos do condutor precisam ficar levemente flexionados quando o pedal estiver na posição mais baixa.

4. Use peças de sinalização noturna

Nunca deixe de usar itens como faroletes ou sinalização refletiva na sua bicicleta, caso você for um ciclista adepto dos passeios noturnos ou precise enfrentar o tráfego depois do entardecer.

5. Não pedale na contramão

Muitas pessoas pensam que, ao pedalarem na contramão, poderão ver melhor os carros que vêm no fluxo contrário. Porém, seguir o fluxo normal de automóveis faz com que os ciclistas cheguem mais rapidamente aos seus destinos e proporciona um melhor tempo de reação nos casos de acidentes e colisões traseiras. Consta que, inclusive, os sinistros ocorridos em favor do fluxo são em menor quantidade, e os danos gerados para o corpo dos ciclistas atingidos serão também menores, porque seu movimento estará no mesmo sentido do que o carro.

6. Planeje bem suas rotas

É importante que sejam conhecidas rotas secundárias, caso o trânsito esteja muito intenso no horário, e circular sempre ao lado direito das vias, com razoável distância dos meio-fios.

7. Sinalize sempre

Os carros têm luzes especiais para indicar quando seus motoristas pretendem dobrar uma rua ou esquina. Já os ciclistas devem indicar essas intenções de manobras com gestos bem amplos, a serem feitos com os braços.

8. Mantenha-se hidratado

O ideal é que o ciclista beba bastante água antes, durante e depois de pedalar, para seu organismo ficar bem hidratado.

9. Procure pedalar em grupos

É interessante estar junto a um grupo de ciclistas, se isto for possível e todos estiverem indo para destinos próximos. O grupo ficará mais visível para os motoristas e, caso ocorra algum acidente, os companheiros de bicicleta poderão ajudar.

Agora que você já conhece algumas sugestões importantes para pedalar com mais segurança, coloque sua bike na rua e seja um ciclista consciente e bem protegido!

Publicado em

Freios – Qual tipo é o mais indicado para o seu uso?

Os freios são uma das partes mais importantes da sua bike, pois sem eles como você conseguirá parar de maneira segura? Se não houvesse freios, não poderíamos pedalar nas velocidades que conseguimos, pois cada vez que precisássemos parar ou diminuir a velocidade para fazer uma curva teríamos que por os pés no chão ou nos jogar de cima da bike. Mas você sabe qual tipo de freio é o mais indicado para o seu uso? Existem alguns modelos de freios no mercado, alguns mais eficientes que outros, porém cada um com suas particularidades e usos possíveis. Vamos conhece-los?

Cantilever

É o tipo mais barato e simples de todos. É acionado através de um cabo de aço que é ligado a outro cabo de aço formando um “Y” e cada um dos lados faz com que as pastilhas entrem em atrito com o aro, fazendo com que a bike freie. É um sistema complicado de regular, que exige muita força nos manetes para parar a bike e não têm modulação, motivos que fizeram com que o freio cantilever caísse em desuso. Para quem pretende fazer pedaladas mais urbanas e não precisa de um sistema muito elaborado e caro de freios, pode ser uma boa opção.

V-brakes

É o modelo mais utilizado hoje em dia, e também a evolução do modelo cantilever. Funciona com um cabo de aço que diretamente aciona as pastilhas, puxando de um lado e empurrando do outro ao mesmo tempo. O braço que sustenta as pastilhas faz uma alavanca para garantir uma força suficiente para uma boa frenagem. A grande vantagem dos freios V-brakes é o preço e a facilidade de manutenção, o que os tornam uma belíssima opção para quem não utiliza a bike para competições e necessita de um freio com bom desempenho. Outro problema desse sistema é que algumas bikes já não vêm mais com pinos para a instalação do V-Brake.

Ferradura

Este modelo equipa as bikes mais antigas e a maior parte das bikes de speed da atualidade. É um sistema que conta com um cabo de aço puxado pelo manete, forçando o fechamento da pinça, e das pastilhas por consequência, sobre o aro. É um sistema que é usado faz décadas, e para bikes com pneus finos funciona muito bem.

Freio a disco mecânico

Não possuem a mesma força que um freio a disco hidráulico, porém contam com uma manutenção extremamente mais baixa, pois não utiliza os caros componentes hidráulicos como conduíte e nem manete hidráulico. Caso tenha problemas, geralmente, basta trocar o cabo e partir pro abraço. É um modelo que ao contrário dos modelos anteriores, atua no cubo da roda ao invés do aro. É composto por: rotores (discos), presos no cubo (centro da roda), manetes, e pinças (estrutura que contem as pastilhas). As pinças do freio dianteiro são fixados na suspensão ou no garfo e os traseiros num suporte especifico no quadro. A função das pinças é pressionar as pastilhas contra os discos. Para muitas pessoas um freio V-brake top de linha é melhor que um freio a disco mecânico.

Freio a disco hidráulico

É o sistema top de linha da atualidade, todos querem ter um freio a disco hidráulico, o que está tornando o sistema cada vez mais comum e barato. Permite frear a bike em altas velocidades com a utilização de apenas um dedo no manete, controlando a dosagem da freada sem travar a roda, o que garante a segurança do ciclista em descidas, trilhas ou situações em que você precise diminuir a velocidade rapidamente sem ser arremessado por cima do guidão. O sistema nesses freios funciona com óleo, que sai do reservatório no manete, passa por dentro dos conduítes até as pinças e ativa as pastilhas que assim como o sistema mecânico, atua sobre os cubos das rodas. As desvantagens são: manutenção e alto custo de alguns modelos.

Por fim, se sua bike tiver os freios cantilever e eles estiverem funcionando bem para seu uso, mantenha-os. Caso estejam te deixando na mão, é melhor trocar pelos V-Brake. Agora, se sua intenção for fazer trilhas, é melhor e mais seguro começar a preparar o bolso para comprar um bom sistema hidráulico, pois assim você estará garantindo um melhor desempenho e segurança. E não esqueça, um V-brake bem regulado muitas vezes é melhor que um a disco de baixa qualidade.

Seja qual for o tipo de freio da sua bicicleta o mais importante e mantê-lo sempre bem regulado e fazer uma manutenção periódica para que você possa pedalar com segurança. Fica a dica!

Publicado em

Andar de bicicleta faz bem para a saúde. Então, vamos pedalar?

O uso da bicicleta como meio de transporte ou só para passeios aumenta cada vez mais. E o estímulo para pedalar aparece por vários motivos. E um deles é melhorar a qualidade de vida.

Sem dúvidas, há diversos benefícios de andar de bike para sua saúde, e se você ainda não conhece nenhum, listamos 10 deles abaixo. Confira e comece a pedalar!

 

1- Um dos melhores benefícios de andar de bike é o emagrecimento.

Pedalar é um exercício que acelera o metabolismo, ou seja, a queima de calorias em seu corpo será mais rápida. Isso evita o acúmulo de gordura no organismo. Mesmo que você pedale por apenas meia hora por semana, certamente irá baixar números na balança!

2- Melhora a resistência muscular.

Assim como outros exercícios, pedalar exige força de seus músculos. E um dos maiores benefícios de andar de bike é que o ciclismo é um dos poucos esportes que trabalha quase todos os grupos musculares do seu corpo.

Então, tanto suas pernas como braços e outros membros vão ficar bem resistentes com a prática constante da bike!

3- Desenvolve o bem-estar.

Você já viu algum ciclista pedalando com raiva? Isso é quase impossível porque pedalar aumenta a liberação de endorfinas e serotoninas, substâncias que causam a sensação de prazer.

Com isso, além de deixar a pedalada prazerosa, a depressão, ansiedade e o estresse ficarão bem longe de você!

4- Aumenta seu fôlego.

Como ciclistas conseguem subir ladeiras bem íngremes? Pulmões reforçados ajudam nisso!

Pedalar exige muito oxigênio e por causa disso sua respiração será muito exercitada. Com o tempo, você terá fôlego para aguentar pedais longos. Além disso, com a frequência cardíaca maior, seus pulmões recebem doses maiores de ar e com isso aguentam atividades mais intensas.

5- Tem baixo impacto em suas articulações.

No ciclismo, o seu contato com o chão não fica a cargo das suas pernas e pés quando você está sentado no selim da bike. Quem recebe primeiro as pancadas do trajeto é a bicicleta. Isso faz com que todo o impacto transmitido para as articulações, principalmente nos pés e joelhos, seja pequeno.

Caso você tenha alguma restrição para atividades como correr, jogar tênis ou futebol, já sabe que a solução é investir na bike!

6- Reduz o colesterol.

O ciclismo estimula o metabolismo, e assim faz com que as substâncias que geram o colesterol ruim (LDL) sejam rapidamente queimadas. Pedalando fica mais fácil comer doce ou a gordurinha da carne no churrasco, sem se preocupar em ir ao médico e levar puxão de orelha!

7- Controla a glicemia no sangue.

Outra vilã do seu corpo que é combatida com a prática do ciclismo é a glicemia. Ao pedalar com frequência o nível de açúcar no sangue é equilibrado. Se você tiver diabetes já sabe que tem mais um ótimo motivo para aproveitar os benefícios de andar de bike!

8- Regula a pressão arterial.

Nem só seus músculos são tonificados com o pedal constante. Suas artérias e veias também são. A contração e o relaxamento delas ficam mais rápidos, o que auxilia a abaixar a pressão arterial. O seu coração será bastante beneficiado com a pressão equilibrada, necessitando menos esforço para bombear sangue para o corpo.

9- Elimina toxinas do corpo.

Suar durante o pedal elimina as toxinas do corpo com mais facilidade. Com menos substâncias tóxicas no corpo, seu funcionamento será melhor. Vale a pena pedalar mais nos dias de calor para limpar bem o organismo!

10- Melhora a circulação sanguínea.

Ao pedalar, seu corpo precisa de mais oxigênio para alimentá-lo, então seu coração vai bater mais e o seu sangue vai correr mais rápido pelas veias. Todo o seu corpo será abastecido com muito sangue e oxigênio, fazendo com que sua saúde e desempenho só melhorem!

Pra aumentar os efeitos do exercício regular, é ideal combinar uma boa alimentação, outros exercícios e também deixar a bike com a manutenção em dia.

Publicado em

Bike Elétrica – Veja 7 dicas imperdíveis antes de comprar a sua.

Você já teve a experiência em pedalar uma bicicleta elétrica? É uma delícia! Além disso, ela ajuda a evitar trânsito, engarrafamentos e economizar dinheiro, fica de bem com a natureza e contribui para melhorar a mobilidade da cidade.

Se você está pensando em comprar uma bicicleta elétrica, provavelmente vai se deparar com muitos modelos, diferentes potências, formas de aceleração, componentes que uma bicicleta convencional não possui e termos específicos que não conhecia. Como fazer a escolha certa? Veja essas dicas.

1 – Bateria de chumbo ou de lítio?

É o principal aspecto a ser avaliado. Há no mercado duas opções predominantes: baterias de chumbo ácido e de lítio. O preço de uma bateria de chumbo equivale, em média, a um terço da de lítio. Mas a bateria de chumbo, uma tecnologia antiga, a mesma utilizada em automóveis, apresenta ao menos três aspectos desfavoráveis em comparação com a principal alternativa no mercado:

Desvantagens das baterias de chumbo

2 – Quanto pesa uma bateria?

O peso de uma bateria de chumbo gira em torno de 10 ou 12kg. O modelo de lítio mais comum pesa 2,5kg. Há modelos mais avançados, japoneses, de apenas 2kg. A bateria de chumbo exigirá uma bike mais robusta, que seja capaz de suportar seu peso. Sem bateria, uma bicicleta elétrica moldada para suportar bateria de chumbo pesa uns 30kg. Já a bike desenhada para carregar baterias mais modernas pode ser mais leve – pesa 20kg (sem a bateria).

3 – Vida útil – quanto tempo dura uma bateria?

A vida útil de uma bateria de lítio equivale ao quíntuplo de sua parente mais arcaica, a de chumbo, que costuma durar cerca de 200 ciclos (descarga e recarga completa). O preço da de lítio é o triplo daquele que se verifica nas de chumbo, mas a durabilidade compensa.

4 – Qual o tempo de recarga?

O tempo de recarga das baterias de chumbo gira em torno de cinco a seis horas. Os modelos de lítio exigem apenas duas a três horas de tomada. Cabe lembrar que a bateria terá vida útil maior e trabalhará de forma mais eficiente se estiver sempre mais próxima da carga total do que do final dela. Portanto, é interessante procurar mantê-la com carga alta tanto quanto possível. O carregador pesa o equivalente a uma fonte de notebook padrão, 800g. Vale ressaltar ainda que a bateria de chumbo é mais tóxica e prejudicial ao meio ambiente, por ser de difícil descarte.

5 – Qual o custo de uma bateria?

Uma recarga completa de bateria demanda energia elétrica com custo aproximado de R$ 0,25. Essa recarga completa proporciona autonomia de 30km. Assim, o custo da energia por quilômetro é inferior a um centavo.

Qualquer que seja o tipo do propulsor, o custo da energia necessária para deslocamento de um quilômetro em bike elétrica é incomparavelmente menor, obviamente.

 6 – Qual a importância dos componentes?

Uma bicicleta elétrica vai exigir muito mais dos componentes do que uma bike normal. O motor gera um torque relativamente alto; a velocidade é mais alta também, claro. A bike, em velocidade superior em comparação com a magrela convencional, vai passar sobre buracos e irregularidades, desgastando peças de forma mais acentuada.

É importante procurar verificar, antes da compra, procedência de peças de suspensão, rodas, pneus e freio e assistência técnica.

7 – Qual o tempo médio para se fazer a manutenção?

Uma bicicleta elétrica requer manutenção bem mais frequente, em comparação a automóveis. Especialistas mencionam que visitar uma bicicletaria uma vez por mês é o ideal.

Se ainda tem dúvida ou não conhece uma bike elétrica, venha até a Indy Bike e fale com um de nossos consultores que vai ajudar você na melhor escolha.